Sabá, o País das Mil Fragrâncias

março 14, 2012





Situado a dois mil metros de altitude, ao sul da Península Arábica, na região do atual Iêmen, Sabá era chamado de "país das mil fragrâncias e país do aroma dourado", pois sua riqueza provinha das resinas de árvores como mirra, bálsamo e incenso - cujo intenso perfume podia ser sentido pelos navegantes que singravam a costa do País.


"Bênçãos e alegria!" era o cumprimento dos sabeus de outrora, que viviam rodeados por beleza, harmonia e prosperidade. Esse povo permaneceu por longo tempo isolado das impurezas e tristezas que atingiam a vida dos seres humanos.


A envolvente narrativa de Roselis von Sass resgata a personalidade de Biltis, poderosa rainha e suprema-sacerdotisa de Sabá, foco de infindáveis pesquisas e lendas, e sua célebre viagem em visita ao rei judeu, Salomão. Os ensinamentos da escola de sabedoria de Mestre Bildad, a ligação dos sabeus com a Natureza e sua abrangente medicina, as cerimônias religiosas e a condução política do País, entre outros aspectos, são explorados no curso de descobertas, conflitos e afetos dos personagens.






Vídeo: Grupo Flama


Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais