O que aconteceu com a infância?

Março 01, 2012


Daniela Schmitz Wortmeyer

Alguém me disse que a infância não é mais a mesma.
Que hoje em dia, para se comunicar com as crianças, é preciso utilizar meios bem diferentes dos (simples) de antigamente. É preciso usar tecnologia e personagens da mídia, dar-lhes produtos para consumir, coisas assim.
Essa opinião me deixou preocupada, intrigada, incomodada. Pus-me então a observar as “crianças de hoje”.

Na praia, um menino de cerca de um ano de idade corre em direção ao mar. A avó zelosa corre logo atrás, tomando-o pelo braço e conduzindo-o para longe da água, tentando entretê-lo com um assunto qualquer. Tão logo ela se distrai, o pequeno aventureiro volta a sua carreira em direção às ondas. E assim se repete, seguidas vezes, a tentativa do menino de explorar o mar, sem conseguir mais do que molhar os pezinhos.

Ali perto, um menino e uma menina maiores têm o privilégio de brincar com as ondas. Deitados sobre pequenas pranchas, eles sorriem continuamente e deixam-se levar pelas marolas na beira da água, sem se importar com o vento insistente do final da tarde, no qual planam serenas gaivotas.

Vi também o êxtase de um menino sentado em seu império, ao centro de uma fortaleza de areia construída com ajuda do irmão e da mãe. Quando passei pela praia, estavam justamente cavando o fosso ao redor do “castelo”, cujo acabamento com montinhos de areia molhada era feito com esmero pelo pequeno regente.

Meu sobrinho de três anos convidou-me a ir até a floresta. Em um primeiro momento, achei que se tratasse do parque botânico que fica próximo à sua casa. Já era noite e chovia muito, e tentei explicar-lhe que não era possível ir até lá. Como ele insistisse, em um lampejo resolvi perguntar-lhe onde ficava a floresta, e eis que ele apontou para o fundo da garagem. Então eu finalmente me conectei com seu universo infantil, e passamos a desbravar a garagem, caminhando entre árvores enormes, encontrando animais, tomando banho de cachoeira e iluminando o ambiente com nossas lanternas imaginárias.

Transitar com dois cachorros pelo aeroporto também rendeu boas observações. Alguns poucos adultos demonstram maior interesse, mas todas as crianças querem se aproximar dos animais. Mesmo que eles estejam fechados em suas casinhas, as crianças tentam olhar pelas aberturas, adivinhando que ali dentro se esconde um ser que merece ser descoberto. Se eles estiverem do lado de fora, então, elas querem tocá-los, acariciá-los, perguntam seus nomes e uma série de outras coisas.

Eu poderia continuar a lista, relatando sobre as crianças que brincam nos parquinhos dos condomínios ou escolas em meu bairro, ou tantas outras situações que me fizeram lembrar as sábias palavras dos educadores Julia Saló e Santiago Barbuy, escritas no fascinante livro “Terra, Água, Ar, Fogo: para uma oficina-escola inicial”:

“A topologia é a sua geometria, a alquimia, sua ciência, a ficção, sua realidade, os jogos, a ocupação, a magia é o poder, a natureza, o meio, e a alegria é o único capital com o qual compram e pagam ao adulto.”

Embora o livro tenha sido escrito em 1977, parece que estamos falando da mesma infância.

Mas por dever de honestidade devo revelar que fiz também observações bem distintas das anteriores. Vi crianças passando longas horas assistindo a “programas infantis” em canais por assinatura, repetindo termos em Inglês e às vezes imitando algum personagem. Uma menina se empenhava em mostrar-me um jogo eletrônico que achava muito interessante, em que escolhia desenhos para serem “pintados” com auxílio de um lápis virtual. Um menino mais velho jogava durante horas um RPG virtual, representando um cavaleiro que subia torres, ultrapassava obstáculos e lutava com inimigos para conquistar um objetivo. Observei também diversas crianças entre adultos, tentando compreender precocemente brincadeiras capciosas ou ironias, assim como tantos assuntos completamente alheios ao seu mundo infantil, por vezes buscando expressar algum “comentário inteligente” que pudesse ser valorizado pelos presentes.

Lembro-me da narrativa de uma amiga sobre um episódio no colégio de sua filha. O pai de uma menina de seis anos cobrava explicações da professora, alegando que a filha não estava “aprendendo nada” nas aulas de Inglês, pois ao chegar em casa não conseguia lhe fazer relatos a respeito. Minha amiga acrescentou que grande parte dos pais, ao escolher a escola que seus filhos frequentarão na primeira infância, priorizam estabelecimentos que se destaquem pela aprovação dos alunos no vestibular.

Tenho a impressão de que a essência da infância continua a mesma. Porém, reproduzimos uma sociedade que tem pressa em eliminar a infância dos seres humanos, em torná-los adultos precoces, prontos a cumprir seu papel na roda do consumo. Na dissertação “A criança”, o escritor Abdruschin faz um alerta a respeito: “uma criança precoce é uma fruta onde o caroço ainda não chegou ao amadurecimento, enquanto o invólucro já se encontra frente ao envelhecimento!”
Em verdade, a autêntica infância não interessa ao mercado porque não dá lucro a ninguém. Por isso há tanto investimento em manipular os anseios e necessidades das crianças para associá-los a objetos de consumo.

Para Julia Saló e Santiago Barbuy: “Não há material didático mais simples que a matéria mesma. Não há fábrica mais perfeita que a própria natureza. Não há escola mais completa que a própria vida.”Um ambiente rico e variado, que permita à criança explorar livremente as inúmeras possibilidades da matéria, é tudo o que se necessita para o desenvolvimento sadio na primeira infância.

Abdruschin destaca a importância da interação da criança com a Natureza: “As águas, montanhas, florestas, campinas, flores, bem como os animais, tornam-se então familiares a cada criança, e ela ficará solidamente ancorada no mundo, o qual deve oferecer-lhe, para sua existência terrena, o campo de atuação.”

A introdução prematura de meios eletrônicos no ambiente infantil, especialmente como intermediários de brincadeiras, produz obstáculos à experimentação concreta na matéria, fundamental para o desenvolvimento físico, mental e espiritual da criança. “Se essas bases forem deficientes, tiverem grandes vazios, ou se houverem criado zonas proibidas, a mente terá depois uma enorme tarefa para estender pontes entre as ilhas da experiência material básica dos primeiros anos.” (Saló e Barbuy)

Deixar a criança ser criança. Uma antiga e simples fórmula que encerra as melhores bases para a educação infantil. As crianças são naturalmente atraídas para a exploração do meio natural, para a criação de jogos espontâneos com regras adequadas ao universo próprio de sua idade, para o exercício da imaginação e a elaboração de estórias que atendam às suas necessidades de conhecimento e desenvolvimento a cada fase – tudo isso sem a necessidade de interferência da lógica adulta.

O adulto é protetor e orientador, mas jamais deve se apressar em colocar suas próprias conclusões à criança. Cada um precisa fazer suas descobertas pessoalmente. A interação espontânea da criança com seu ambiente deixa ensinamentos que não podem ser expressos em palavras, e que só mais adiante, em estágios posteriores do desenvolvimento, poderão servir de âncora para a elaboração de conceitos.

No afã de preparar as crianças para o “mercado de trabalho”, os adultos acabam impedindo que se estruturem as bases para a formação de seres realmente inteligentes e criativos, que não apenas reproduzam fórmulas prontas e ideias alheias, mas possam elaborar soluções originais para os problemas do cotidiano. Além disso, esquecemos frequentemente que a autêntica realização humana requer muito mais do que estabilidade financeira, poder ou status social. É comum se observar crianças (e adultos) que sofrem de depressão e outros males - muitas vezes com uma agenda lotada, mas com um imenso vazio em seu íntimo...

Abdruschin é categórico: “Vós lhes roubais a verdadeira condição de criança, para a qual, segundo as leis da Criação, têm pleno direito, necessitando até permanentemente dela, porque o vivenciar da infância pertence, incondicionalmente, ao progresso posterior do espírito.”E acrescenta: “O ser humano que foi realmente criança mostrar-se-á também mais tarde de pleno valor como adulto.”


A infância deve ser momento de armazenar um estoque de alegria, disponível para ser acessado durante toda a existência. A alegria infantil brota do simples prazer de viver, sentindo o fluxo vital pulsando em suas veias e o irresistível impulso para o movimento, para o permanente descobrimento e encantamento com o mundo. O olhar de uma criança sobre as coisas é pura poesia. Mas onde está o adulto que ainda sabe andar pelas trilhas da beleza?

Talvez toda essa urgência social em “civilizar” e “adultizar” as crianças seja o mais evidente sinal de que nós, adultos, de alguma forma perdemos a conexão com dimensões humanas que se apresentam em todo o frescor do despertar nessa fase. Por isso às vezes sequer conseguimos perceber a profundidade das vivências de uma criança, tratando-as de modo superficial, uma vez que estão fora do rol dos “assuntos úteis” que mereçam ser incluídos na agenda. Para Julia e Santiago:

“A Natureza, a técnica e todas as experiências de relação humana estão impregnadas de um caudal inesgotável de ensinanças; caudal que poucas vezes é percebido e avaliado pelo ser humano, que antes de haver desenvolvido sua capacidade de percepção sensitiva e intuitiva, entrou bruscamente no mundo da informação e do razoamento.”

Quando perdemos a chave do tesouro da infância... O que acontece? Olhe para as pessoas ao seu redor. Onde está a leveza, a alegria gratuita? Onde está o riso fácil e solto, a natural afabilidade? Onde se encontra a curiosidade espontânea e o encantamento com as pequenas descobertas do dia a dia? Onde está o questionar, a procura dos porquês da existência? Onde ficou a busca de conexão com a Natureza e seus inumeráveis seres? As perguntas podem continuar, mas prefiro fazer apenas mais uma: você ainda sabe brincar?

Uma existência cuja tônica é dada por preocupações racionais e utilitaristas não preenche os anseios mais profundos do ser humano. Torna-se facilmente uma rotina repleta de obrigações, mas vazia de amor e alegria. A verdadeira riqueza humana não pode ser medida em cifras e títulos: ela repousa em valores delicados, alojados em cada coração. Quem não pode perceber a ausência de perfume em uma flor artificial, não poderá compreender o que perdemos ao abandonar a essência da infância.

Porém, para quem anseia por perseguir o rastro do perfume, sugiro que faça as pazes com a criança que guarda em seu interior. Procure ser mais paciente e compreensivo com ela, deixe-a sair de casa para brincar de vez em quando... Afinal, ela é apenas uma criança, que precisa viver sua infância! Ao recuperar a essência da infância em nossa vida diária, caminhamos para o resgate de nossa integridade humana.

“O chamado mundo infantil não é próprio dessa idade unicamente. É um modo de ver o mundo e a vida que a lógica trata de eliminar do ser humano; mas não pode consegui-lo – por ora – na criança. Último refúgio e única reserva para o futuro.” 
(Julia Saló e Santiago Barbuy)



Leia Também

Fogueiras de junho

Junho 18, 2019

 

“Todas as fogueiras em homenagem ao Sol acendiam-se quando este se achava em seu ponto mais alto, isto é, ao meio-dia. Às vezes alguns poucos, geralmente crianças, podiam ver nessa hora o senhor do Sol nos ares. Quando isso sucedia, um júbilo indescritível reinava entre os participantes das festividades…”

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final

Leia Mais
Vontade do espírito

Junho 13, 2019

 

“Tudo toma forma na engrenagem deste mundo. Que o ser humano não o soubesse ou mesmo não quisesse saber, fica por sua conta, é sua culpa. Sua ignorância não altera o efeito.”

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Leia Mais
Zoroaster

Junho 11, 2019

Leia Mais

Cadastre-se