Relançamento

outubro 13, 2012


"Quando a Estrela Lunar se apagar, nosso mundo também se apagará!", alerta a profecia.

Como uma serpente que coloca seu pescoço ameaçador para fora das águas do mar, os forasteiros Syphax e Tus disseminam a mentira tal qual veneno sobre a Atlântida, desmentindo a gravidade da profecia e semeando a dúvida: seria realmente necessário deixar a Atlântida? Seria verdadeira a profecia sobre o afundamento do país dos dragões alados no mar? Por que abandonar a pátria com tanta pressa?

Syphax não foi expulso pelo rei Witu e agora a princesa Brunhild apaixona-se perdidamente pelo forasteiro.

Gurnemanz, mentor espiritual, empreende grandes viagens pelo país para conscientizar os atlantes sobre a necessidade de abandonarem sua pátria em direção a um novo lar antes que seja tarde.

A desconfiança esparrama-se e prepara-se para dar o bote. Quem se salvará?



Curiosidade:

Desde que Platão mencionou a Atlântida, cientistas do mundo inteiro dedicam-se ao enigma desse continente desaparecido.

Roselis von Sass descreve os últimos cinquenta anos desse país – uma enorme ilha protegida por íngremes rochedos – com uma exuberante natureza e animais em grande parte hoje extintos, dentre eles os lendários dragões alados. 



Leia Também

Reconhecimentos

janeiro 14, 2021

Beija flor pairando no ar

“Um verdadeiro sábio haure forças do sofrimento e das decepções, que o conduzem a novos e mais elevados reconhecimentos. Nunca se deixará deprimir tanto, que venha a cair.”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Forças conhecidas

janeiro 12, 2021

Imagem de ondas fortes


“Desde pequenos os incas estavam familiarizados com as forças da natureza. Sabiam sempre quais os espíritos da natureza que trabalhavam, quando algo acontecia nos reinos da natureza.”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas

Leia Mais
Flores que o vento leva

janeiro 09, 2021

Foto do desenho de um esqueleto de uma folha seca, formato de estrela sobre papel branco com a folha modelo ao lado.
O demasiado apego a aspectos mutáveis da existência – como pessoas, bens, lugares, rotinas e posições sociais – decorre da ilusão de, com isso, evitar o desassossego e, quem sabe, o sofrimento decorrente da transformação.
Leia Mais