Baile sem mascara

fevereiro 20, 2012

Sibelia Zanon

Os moldes podem ser bastante úteis. Os técnicos e engenheiros que trabalham projetando embalagens sabem da importância de um molde coerente com as medidas e cálculos estudados. Costureiras e alfaiates também reconhecem o valor deste instrumento. Locais famosos pela fabricação de máscaras como Veneza, na Itália, se especializaram em fabricar máscaras exclusivas: neste caso o molde é o rosto da própria pessoa que recebe uma massa branca colante por cerca de 40 minutos. E então sai a máscara perfeita que representa fielmente os traços daquele rosto, diferentemente das máscaras comuns compradas pela grande maioria no comércio convencional.




Moldes têm sua utilidade. Também os vários moldes sociais usados no cotidiano como os da boa convivência, os do bom comportamento ou alguns de conduta podem ter sua função. Mas os padrões sugeridos ou quase impostos pelo mundo e pela sociedade vão além. São muitos e 
estão sempre mudando.

Ser uma pessoa que se encaixa nas diversas situações, ser flexível, usar do famoso jogo de cintura 
ou agir com diplomacia podem ser características mui
to úteis e positivas. Mas di
fícil é conhecer as fronteiras
 que separam o que é ser um 
indivíduo positivamente 
moldável e flexível daquele
 indivíduo que muda completa
mente a cada nova medida que
 as circunstâncias sugerem, perden
do facilmente a identidade e abdicando de sua personalidade e de valores que pareciam importantes.

Perder a identidade ou a chance de construir um estilo próprio pode parecer muitas vezes mais fácil do que resistir às pressões que o mundo externo exerce, já que buscar um estilo autêntico e assumi-lo exige um certo afastamento da zona de conforto cotidiana. Isso porque além daquilo que o espelho confessa, o estilo percorre caminhos ainda mais sinuosos, ou seja, além do que é visível como uma roupa da moda ou não, o estilo consiste também em diversas outras formas de expressão, em posicionamentos escolhidos, em verdades eleitas ou não, em dizer um não quando a maioria diz o sim, enfim, em ser coerente com as convicções e desejos interiores.

Talvez ter um estilo mais definido seja uma questão de busca, autoconhecimento, autoestima, algo que vai crescendo com os anos de vida, com as experiências e que não tem nenhuma receita. Mas exercer o que há de estilo, de convicções e formas de ver o mundo está relacionado à coragem. No mundo globalizado e com grande apelo comercial parece ser quase necessário ter algo em comum para ser aceito pela maioria. Não se deixar sufocar pelos padrões de beleza muitas vezes irreais, por tendências mundiais, por tribos contemporâneas, pelo apelo de esportes radicais ou pela última moda é um tanto difícil. Fazer com que a personalidade e estilo se exteriorizem e tomem forma nas pequenas coisas do cotidiano tornou-se um desafio.

Mas dentro de um comportamento normal e até simpático é possível pincelar algumas doses de estilo. Explorar o mundo particular das cores, das formas, dos traços, dos sorrisos, dos posicionamentos faria de cada um, um ser mais feliz por estar em harmonia com seus anseios interiores. Talvez seja interessante pensar que é possível celebrar a diferença sem escandalizar.

Colocar idéias de forma delicada, mas colocar. Permitir-se ser simples e comum. Buscar a beleza que cabe a cada um, montando um repertório de expressão particular que não seja simplesmente uma aceitação do padrão universal... apenas alguns exemplos pequenos de algo que pode ganhar um grande significado.


Assumir as verdades e peculiaridades e usar os moldes na medida e da forma desejadas podem fazer o mundo ir ganhando aos poucos um hálito mais refrescante e menos massificado. Interessante seria que cada máscara usada no cotidiano não fosse uma máscara qualquer aceita sem critério ou comprada na primeira propaganda do horário nobre. Bom seria que ela fosse autêntica e que retratasse o estilo particular ou o “eu interior”. Neste caso, assim como nas lojas especializadas em máscaras exclusivas, cada um passaria, aos poucos, de objeto moldável para ser a base do molde. E a máscara da vida cairia como no fim de um baile, mostrando a diversidade de personalidades, visões, culturas, costumes, formas, corpos, belezas... desvendando a autenticidade.





Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais