Ler marés

fevereiro 13, 2020

Postal - Texto de O Vaga-Lume


“ ‘Seguro está somente o ser humano vigilante! ’ disse Sargon com ênfase. ‘Unicamente com vigilância, os perigos podem ser afastados a tempo. Quem pensa ser tão bem protegido, que não precise, ele mesmo, prestar atenção, é um tolo!’ ”

Roselis von Sass, A Grande Pirâmide Revela seu Segredo

Dia desses, eu caminhava pela praia quando vi plaquinhas vermelhas indicando perigo no mar. Fiquei intrigada ao imaginar qual seria a metodologia usada para adivinhar o perigo. Entrar pelo mar e fazer uma varredura de marés seria complicado. Caminhar pelas profundezas em busca de buracos e depressões na areia seria ameaçador. Poderiam drones e computadores ser úteis nessa situação?

No auge das elucubrações vi um guarda-vidas instalando uma nova placa e notei que aquela era a minha chance.

— Está vendo o jeito das ondas? ele perguntou. — Quando elas vêm desde longe regulares e espumando, está tudo bem. Quando elas vêm mais altas, sem arrebentar, e só quebram aqui perto é porque a correnteza está brava.

O guarda-vidas apontava para uma típica onda rebelde, tentando me ensinar a ler o perigo. Outros mares viriam e nem sempre as placas estariam de prontidão.

Somos dotados de uma porção de sentidos para ler cada circunstância e compreender o que se passa ao redor, para nos proteger. E, muitas vezes, a vida parece mesmo se ocupar em colocar umas placas vermelhas indicadoras pelo caminho. Mas nem sempre estamos aptos para reconhecê-las.

Isso lembra o livro ilustrado O anjo da guarda do vovô, de Jutta Bauer. Lá, o vovô conta para o neto histórias vividas. Enquanto o texto escrito narra as façanhas do avô desde cedo e mostra como ele era arrojado na infância, trepava em árvores altas e mergulhava nos lagos mais profundos, a ilustração revela o outro lado da história. Sempre, nas diferentes situações, existia um anjo da guarda por perto, cuidando de seu protegido, e evitando, com tremendo esforço, grandes catástrofes. Quando o menino mergulhava no lago profundo, o anjo da guarda puxava-o para cima e, quando trepava na árvore alta, o anjo da guarda se ocupava em amaciar a queda.

A experiência na praia me fez pensar que não precisamos mergulhar em todo tipo de perigo para comprovar sua existência, mas precisamos aprender a ler as ondas. Ler as ondas, ler a vida e… torcer para as plaquinhas vermelhas, os guarda-vidas e os anjos da guarda não se cansarem da nossa falta de aptidão.

 



Leia Também

Doadores

abril 08, 2021

Mão estendida para amparar

“Temos de nos mostrar dignos de nossa condição humana! Devemos nos movimentar e trabalhar, criando um mundo no meio do reino da natureza, um mundo de beleza e harmonia! Atuando assim, então não seremos somente os que recebem, mas também os doadores!”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais
Perda

abril 06, 2021

Por do sol refletindo na água

“Somente no decorrer dos últimos sete mil anos é que foi aniquilado totalmente o verdadeiro saber que as criaturas humanas possuíam da atuação dos enteais.”

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final
Leia Mais
Mentira

abril 01, 2021

Foto. Horizonte de terreno ressecado com tênue linha infinita de nuvens duradas em movimento.

“Nós, incas, não conhecíamos a mentira. Nem tínhamos uma palavra ou uma expressão para denominar tal mal. Agora, contudo, somos obrigados a nos ocupar com esse mal, se quisermos libertar os outros disso e curá-los”.

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais