Dicionário Afetuoso

agosto 14, 2021

Pintura de um regador  jorrando água pendurado num galho

Faz uns bons anos, ganhei de presente o livro ilustrado
A grande fábrica de palavras e, desde então, esta história me acompanha. As autoras Agnès de Lestrade e Valeria Docampo contam sobre um país onde as pessoas falam muito pouco porque as palavras são muito caras. Crianças reviram latas de lixo em busca de palavras desprezadas e todos se apressam quando ocorre a liquidação de palavras. Philéas ama Cybelle, mas as palavras que ele quer dizer a ela custam uma fortuna. E agora?
É uma beleza podermos nos expressar usando quaisquer palavras do dicionário, todas as que quisermos. Como seria ter o uso limitado de palavras? Provavelmente escolheríamos cada uma delas com bastante zelo: a palavra certeira para determinada finalidade. Pode ser que a escolha cuidadosa elevasse a comunicação para um patamar próximo ao da arte. Não me refiro a estratégias publicitárias, mas ao uso cuidadoso e até afetuoso da linguagem. “Eu creio no poder das palavras, na força das palavras, creio que fazemos coisas com as palavras e, também, que as palavras fazem coisas conosco”, diz o educador Jorge Larrosa.
As palavras fazem coisas conosco… Pensar nisso me leva ao conceito da comunicação não violenta, que sugere uma forma autêntica e menos reativa de relacionar-se. Isso inclui, por exemplo, a compreensão da diferença entre sentimentos e opiniões, observações e juízo de valor e, claro, passa pela escolha da linguagem. Quando algo nos agride ou desagrada, recorremos por vezes a palavras reativas, combativas, talvez até agressivas. Uma opção diferente seria expor à outra pessoa o impacto que sentimos diante de determinada fala ou ação. Esta seria uma comunicação honesta que permitiria certo grau de vulnerabilidade.
Administramos cotidianamente o uso ilimitado de palavras, mas continuamos sendo responsáveis por todas aquelas que proferimos. Quando exercitamos o uso consciente da linguagem, a palavra se torna uma ação, e não uma reação. A palavra passa a ser maneira de doar, e não de revidar.
“Bitur esperou pacientemente até que todos se acalmassem, depois disse simplesmente que a ferida foi provocada por ‘palavras’. Palavras são perigosas, podendo machucar mais do que qualquer arma… Como ninguém retrucasse, provavelmente devido à surpresa dessa afirmação, explicando, ele acrescentou que a moça não podia esquecer as palavras que outrora a haviam machucado de tal modo, que a ferida não pôde sarar.”


Leia Também

Capacidade de Compreensão do cérebro

junho 28, 2022

Imagem de espaço sideral


Quão restrita e limitada é, contudo, a capacidade de compreensão do cérebro, que tem de continuar ligado firmemente ao espaço e ao tempo. Já a eternidade e o sentido do infinito não consegue um cérebro humano abranger.

Abdruschin, Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal

Leia Mais
Fogos juninos

junho 25, 2022

Imagem de fogueira


“(…) os festejos juninos, em que eram acesos os ‘fogos pagãos’ em homenagem ao Sol, foram associados com o aniversário de João Batista, festejado pelos cristãos no dia vinte e quatro de junho. E os seres humanos que com o decorrer do tempo se converteram ao cristianismo, denominaram apenas de ‘fogos juninos’ as fogueiras em reverência ao Sol, que antes eram acesas para agradecer a Apolo, e que eram chamadas de ‘fogos de solstício’.” 

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final 

Leia Mais
Cooparticipação

junho 21, 2022

Postal com frase da obra Na Luz da Verdade, Mensagem do Graal de Abdruschin


Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Leia Mais