Olhar que espia

outubro 15, 2019

Livro "Espiando pela Fresta", de Sibélia Zanon

Espiando pela Fresta
 
"Quantas vezes ao chegar em casa, cansada do trabalho ou animada com alguma perspectiva, insegura com o mundo ou cheia de esperança, escuto os passos do Guilherme vindo em minha direção... o riso sonoro iluminando o olhar sem nenhum disfarce. Basta o barulho da porta do elevador se abrindo e eu já posso quase vê-lo porque a voz, a atmosfera e os movimentos todos chegam antes dele próprio. É como se ele estivesse atento ali pela sala e pudesse pressentir minha chegada.
 
Não tivemos muito contato, mas os poucos momentos juntos foram marcantes. Sem a intenção, ele me fez ter a sensação de pertencer a um conjunto, uma sensação quase de proteção e de unidade. Algo solidário, simpático e até divertido.
 
Dizem, porém, que o que é bom não é para sempre. E foi num desses dias que ouvi a outra voz. Voz que se adiantou como pôde, quase não chegando a tempo: 'Não, Guilherme!'. Pude ainda ouvir o Guilherme ficando na pontinha dos pés, as mãos pequenas alcançando as chaves, mas a voz mais forte o intimidou e naquele dia... não nos encontramos. Aquilo aconteceu outras vezes. Senti um misto de completa compreensão e uma pitada de decepção.
 
Sim, se fosse meu filho, certamente eu faria o mesmo. Também considero isso educação. Afinal, ir olhar o morador do apartamento vizinho a cada vez que ele entra ou sai de casa parece invasão de privacidade ou mesmo uma curiosidade desmedida. Mas, será? Fiquei me questionando até que ponto educamos e até que ponto moldamos uma pessoa a ser comedida e pouco espontânea. Até que ponto os comportamentos são socialmente corretos ou não e onde ficam todas essas regras armazenadas...

 Assumimos todas elas como verdade absoluta: quando aparece alguém em tal situação, julgamos que temos de fazer isso. Se alguém fala aquilo, fingimos que não discordamos para sermos gentis. E tudo isso vai criando uma gigantesca massa anônima de presidiários dentro de si mesmos.

É claro que a mãe do Guilherme não é a grande vilã do mundo. Mas os dois me fizeram pensar... A minha porta se abre, a porta dele também. Nos encontramos frente a frente no minúsculo hall do elevador que serve nossos apartamentos. Ele sorri escancarado e maroto.

É bom descobrir vez ou outra, despretensiosamente, que o anonimato da grande cidade ainda guarda Guilhermes. Guilhermes crianças, moços, adultos ou velhos nos mais surpreendentes becos do caminho. Ainda que poucos, eles deixam belas marcas...

Sabe Guilherme, acho que amanhã vou me espelhar um pouco em você e sorrir um pouco mais para a pessoa que eu encontrar no elevador. E imaginar quem ela é, assim como você faz. E não vou sentir medo ou pressa ou indiferença e serei mais curiosa. Vou ter curiosidade suficiente para querer saber quem é aquela pessoa que mora bem ao meu lado e que cara ela tem...

 Ah, Guilherme, como eu gostaria de conhecer mais pessoas como você! Mal imagina a sua mãe... Mal sabe ela que os seus passos apressados e seu sorriso ultrapassam as paredes do apartamento... e que a sua 'espiadinha' diária faria o final do meu dia mais engraçado e acolhedor."

Texto publicado no livro Espiando pela Fresta, de Sibélia Zanon.

Conheça o livro Espiando pela Fresta



Leia Também

Hora do universo

outubro 27, 2020

Ampulheta na areia

“‘Sublime e misteriosa Esfinge, dize-me: Qual é a hora que o relógio do Universo anuncia?’

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias

Leia Mais
Linha bem traçada

outubro 24, 2020

Caminho subindo para o alto de uma montanha
 
Envolto em expectativa e, às vezes, misticismo, o destino parece conter para alguns o segredo, o intocável e a chave do amanhã. Trilhando outras estradas de questionamento: seria o destino antítese ou irmão do acaso? Liberdade, livre-arbítrio e destino seriam compatíveis? 
Leia Mais
Fragilidade

outubro 22, 2020

Terra caindo de uma mão com por do sol ao fundo

“— Talvez o senhor tenha visto o espírito dele! disse Tobias cansado.
— Espírito? Markus tentou falar o mais indiferentemente possível. Percebe-se que o senhor já vive há muito tempo na África! Nenhuma pessoa civilizada crê mais em espíritos!
— O senhor e os da sua espécie têm razão! observou Tobias, agora impaciente. O mundo civilizado acredita apenas na sua própria grandeza! Por isso se tornou tão frágil, que vive em constante medo de ruir.”

Roselis von Sass, África e seus Mistérios

Leia Mais