Natureza em transformação

julho 25, 2019

 

“Aqui na Terra estamos envoltos por um grande mundo invisível, no qual atuam forças e espíritos que nos guiam, tanto no bom como no mau sentido.”

Roselis von Sass, Atlântida – Princípio e Fim da Grande Tragédia

Num tempo em que as pessoas ainda estavam em sintonia com as vozes da natureza, as transformações naturais que se faziam necessárias não afetavam necessariamente a vida humana. Era possível receber avisos sobre ameaças de perigo. Contudo, nem sempre os alertas eram atendidos.

Em um trecho de A Verdade sobre os Incas, a escritora Roselis von Sass relata a viagem do povo inca ao deixar seu vale. Num determinado momento, o deslizamento de uma montanha interrompe a continuação do trajeto que o grupo fazia com a ajuda das lhamas, sendo necessário descer por um desfiladeiro:

“— Aqui cheira a decomposição! disse a mulher de San, olhando em redor, como se procurasse algo.

— Nada encontrarás! disse San. Pois a montanha soterrou, debaixo de si, todos os que outrora viveram aqui. Tudo indica isso.

— Soterrou? perguntou ela incrédula. Não, os espíritos da montanha não matam nem soterram seres humanos!

— Os seres humanos que aqui viveram, disse San explicando, decerto foram incentivados a deixar esta região a tempo. Isto eles sempre fazem, quando nas montanhas um perigo ameaça as pessoas.

Na saída do desfiladeiro ecoaram exclamações jubilosas. Conduzidas por um dos homens, as crianças levavam com segurança seus animais de montaria através do desfiladeiro e subiam agora para as planícies ensolaradas.”

Também na época da Atlântida, noticiada pelo sábio filósofo Platão, os moradores foram alertados para deixar a região a tempo. Muitos não deram ouvidos aos avisos dos sábios e da natureza e não saíram da área que seria atingida pelas águas.

“Vendavais, chuvas de granizo, terremotos, maremotos e até mesmo erupções vulcânicas abalavam o país. Mas os seres humanos remanescentes pareciam estar cegos e surdos. Apesar de todos os presságios da natureza, continuavam a acreditar que ainda tinham muito tempo diante de si…”, escreve Roselis von Sass, em Atlântida. Princípio e Fim da Grande Tragédia.

Resgatar a relação com a natureza é um dos alicerces para saber por qual trilha seguir. Às vezes, nos acontecimentos simples como nos grandiosos, a vida exige mudança e atitude. Contudo “ninguém pode ser obrigado a fazer algo que não quer, pois tão só o ser humano é senhor do seu próprio destino”, lembra a autora Roselis von Sass.



Leia Também

Pingo de gente

setembro 26, 2020


Mão segurando uma pequena flor branca
 
Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais
Observar

setembro 22, 2020

Gota de água encima de uma pétala de flor

“A pessoa que olhar com atenção ao seu redor, poderá muitas vezes observar exatamente a imagem básica de todos os fenômenos da Criação em seu ambiente mais próximo, já que nas coisas mínimas sempre também se refletem as máximas.”

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais