Lua de Mel

agosto 21, 2012


Sibélia Zanon

— Cláudia, não pode ser. Brincadeira! Seis meses com essa bicicleta e você ainda não sabe?

A voz do rapaz ecoava no silêncio da montanha, na pousada quase deserta.

Fiz um alongamento do fundo da minha rede para ver o que acontecia. Era um casal jovem e bonito. Os mesmos que haviam jantado no restaurante da pousada na noite anterior. O cardápio co- meçava com um creme de mandioquinha. Depois chegou uma truta, feita na hora, com massa fresca, salpicada de tomates e shitake. Tudo arredondado por um bom vinho tinto e nossas duas mesas – as únicas ocupadas naquela noite – foram privilegiadas pela simpatia do chefe pela MPB que tocava soltinha e sem pressa. Lá da minha rede, imaginei: qual daqueles ingredientes teria feito o casal amanhecer com um espírito tão ácido?

O moço continuava segurando a bicicleta impaciente, enquanto Cláudia, agachada, mexia nos pneus e nas rodas, fazendo sei lá o quê.

Decidi que a culpa da acidez não era dos ingredientes da noite anterior. Talvez fosse uma úlcera antiga dando alfinetadas. A paisagem também não devia ser o motivo: montanhas verdes, sol penetrando o ar fresco de outono, grevíleas-anãs chamando beija-flores. A pousada levava a umaestrada de terra no meio de araucárias, ótima para um passeio de bicicleta.

— Cláudia, hoje você tem que aprender. – ele insistia com o ar austero de um professor de jardim de infância, na época em que ainda se colocavam orelhas de burro nas crianças. A moça continuava agachada com as mãos nos pneus.

Decidi que eles dormiram mal. A lareira do chalé deles devia ter algum defeito ou talvez as toalhas não estivessem tão brancas como as minhas. A conversa da bicicleta não mudava de lugar, então resolvi sair da rede e arrumar minha bagagem. Em alguns minutos eu seria obrigada a trocar aquela paisagem mineira nostálgica pela chegada impactante em Guarulhos.

Enquanto guardava as minhas coisas, tive um repentino ataque de felicidade por estar ali sozinha, sem nenhum ser humano em volta para avaliar a minha performance em qualquer atividade.

No caminho para o carro, ainda ouvi um tom agressivo, já sobre outro tema, que vinha de longe:

— Você me dá o que você quiser, Cláudia. Pode ser uma calça jeans, tanto faz, sei lá.

Acho que a Cláudia estava gripada porque não escutei a voz dela em nenhum momento. Foi uma pena. Se ela tivesse falado qualquer coisa, eu saberia o nome do chato do marido dela.



Roselis von Sass





Leia Também

Doadores

abril 08, 2021

Mão estendida para amparar

“Temos de nos mostrar dignos de nossa condição humana! Devemos nos movimentar e trabalhar, criando um mundo no meio do reino da natureza, um mundo de beleza e harmonia! Atuando assim, então não seremos somente os que recebem, mas também os doadores!”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais
Perda

abril 06, 2021

Por do sol refletindo na água

“Somente no decorrer dos últimos sete mil anos é que foi aniquilado totalmente o verdadeiro saber que as criaturas humanas possuíam da atuação dos enteais.”

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final
Leia Mais
Mentira

abril 01, 2021

Foto. Horizonte de terreno ressecado com tênue linha infinita de nuvens duradas em movimento.

“Nós, incas, não conhecíamos a mentira. Nem tínhamos uma palavra ou uma expressão para denominar tal mal. Agora, contudo, somos obrigados a nos ocupar com esse mal, se quisermos libertar os outros disso e curá-los”.

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais