Linha bem traçada

outubro 24, 2020

Caminho subindo para o alto de uma montanha

O escritor francês Albert Camus diz sobre a vida:
“O objetivo da arte, o objetivo da vida, só pode ser o de aumentar a quantidade de liberdade e responsabilidade em cada pessoa e no mundo”

Vez por outra a vida traz acontecimentos pessoais e individuais que abalam estruturas e resgatam questões, trazendo-as à superfície da consciência. Outras vezes, são acontecimentos universais que fazem com que questionamentos sobre a vida e seu objetivo venham à tona. Quem conduziria essa estrada cheia de sutileza e mistério chamada vida? 

Envolto em expectativa e, às vezes, misticismo, o destino parece conter para alguns o segredo, o intocável e a chave do amanhã. Trilhando outras estradas de questionamento: seria o destino antítese ou irmão do acaso? Liberdade, livre-arbítrio e destino seriam compatíveis? 

São muitos os aspectos que embaralham e tecem, formando a rede da vida e do destino. O filósofo alemão Schopenhauer diria:“O destino embaralha as cartas, e nós jogamos”. Mas até onde o destino tem poder e até onde nós é que somos agentes? 

“A possibilidade ou o poder de fazer alguma coisa em relação à situação iminente não confere à pessoa alguma responsabilidade para fazê-la? Eu escolho a resposta sim. A responsabilidade não está mais vinculada apenas às causas passadas - isto é, ao que a pessoa fez. Deve funcionar também com a liberdade presente - isto é, o que eu posso fazer. A liberdade de agir me confere a responsabilidade de agir”, sugere o psicólogo e psicanalista americano Rollo May em Liberdade e Destino. 

Por mais paradoxal que isso pareça, o destino está ligado à reponsabilidade e à liberdade, ainda que alguns, em nome do próprio destino, se eximam de responsabilidades pessoais e sociais. O destino está ligado à responsabilidade, porque ele não deixa de ser uma onda que traz do mar aquilo que nós mesmos jogamos nele. Seria muito complicado, incoerente e, quem sabe, cômodo explicar a vida com a palavra acaso. Escritor e filósofo francês, Voltaire afirmou que o acaso não existe. Mais enfático, o também filósofo alemão Lessing chamou a palavra acaso de blasfêmia. 

E por que o destino estaria ligado também à liberdade? Se o destino é onda que traz do mar o que nele jogamos, é preciso assumir que cada um lança no mar aquilo que bem entende. Se por um lado o homem está destinado a ser livre, para conquistar sua liberdade, será preciso saber encarar e aceitar o destino. E ele não deixa de ser regido por nossas escolhas, sendo também permeado por leis universais. Nossas escolhas são feitas e leis universais que regem a natureza e o mundo trazem de volta os frutos dessas escolhas... é o destino forjado por nossas próprias ações. 

O destino talvez seja mesmo a antítese do acaso. A vida é antítese do acaso, tudo faz sentido, tudo é tecido, tudo é traçado, tudo é moldado com nossas mãos. O destino é um nome vago para a vida em suas inúmeras facetas incrivelmente bem construídas e sem lacunas. 

Permanece um mistério? Talvez o mistério fique menor ao observar a ação e reação agindo o tempo todo na natureza. Mas a magia do destino continua, porque ele não deixa de carregar as tantas faces da riqueza da vida e suas generosas possibilidades de mudança e crescimento.

Texto originalmente publicado no periódico Literatura do Graal, número 13.


Leia Também

Lições de aranha

janeiro 16, 2021

Gotas de orvalho formando uma teia

A pequena aranha tece, com zelo de artesã, ponto por ponto sua teia. Lança os fios translúcidos de um extremo a outro, trabalhando por horas e horas até obter um magnífico resultado. Sob a luz do sol, vislumbra-se a perfeição da obra desse minúsculo ser. Mas eis que virá o vento, a chuva ou um passante desatento, para pôr fim à completude da obra, destruindo a teia. Como reagirá, então, a aranha?

Leia Mais
Reconhecimentos

janeiro 14, 2021

Beija flor pairando no ar

“Um verdadeiro sábio haure forças do sofrimento e das decepções, que o conduzem a novos e mais elevados reconhecimentos. Nunca se deixará deprimir tanto, que venha a cair.”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Forças conhecidas

janeiro 12, 2021

Imagem de ondas fortes


“Desde pequenos os incas estavam familiarizados com as forças da natureza. Sabiam sempre quais os espíritos da natureza que trabalhavam, quando algo acontecia nos reinos da natureza.”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas

Leia Mais