Imensidão ao redor

dezembro 31, 2020

Ilustração de flor na cor laranja com a frase: "“Por isso torno a clamar hoje: aprendei a receber, seres humanos, só então podereis tornar-vos realmente grandes nesta Criação!” Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal, de Abdruschin


“O erro é do próprio ser humano, que dá pouquíssima ou nenhuma atenção a todos os auxílios que lhe são presenteados, na ilusão do seu próprio querer e poder, por causa dos emaranhados do raciocínio que ele amarrou em torno de suas asas espirituais.”

Abdruschin, Na Luz da Verdade

Ganhamos cinco sentidos para perceber e experimentar o ambiente. Temos ainda a capacidade de refletir e de intuir. As flores que caem da árvore, atenuando o asfalto, são tapete ou incômodo? A diversidade de sons que sopram ventos e cantam pássaros são narrativas de estações e de chuvas. Capturamos um percentual pequeno da imensidão que nos cerca, o que prejudica a nossa percepção sobre o que recebemos cotidianamente. Numa época de infindáveis informações digitais e imagens, os olhos e o raciocínio ágil são predominantes. Juhani Pallasmaa, arquiteto finlandês, escreve: “O único sentido que é suficientemente rápido para acompanhar o aumento assombroso da velocidade do mundo tecnológico é a visão”.

Defensor de uma forma multissensorial de projetar a arquitetura, Pallasmaa fala que a soberania dos olhos, em detrimento dos demais sentidos, é uma patologia que nos oprime pela velocidade e simultaneidade, despreza a memória, a imaginação e os sonhos. Segundo ele, ambientes altamente tecnológicos como aeroportos e hospitais levam à alienação, ao isolamento e à exterioridade.

Mesmo quando em menor potência, atuamos como receptores e emissores o tempo todo em um fluxo de trocas permanente, de forma tão cotidiana e tão fundamental, como a própria respiração. Abdruschin escreve no livro Respostas a Perguntas: “Só quem expira corretamente, pode executar e executará automaticamente a inalação sadia e perfeita, sim, através da expiração correta é levado e obrigado a essa inalação. Isso proporciona ao corpo saúde e força. Com a expiração o ser humano dá! Ele dá algo que representa uma utilidade para a Criação: mencionamos aqui apenas o carbono, necessário à alimentação das plantas. Reciprocamente, ou consequentemente, pode aquele ser humano, que cuida bem da expiração, inalar profundamente e com satisfação, pelo que lhe aflui grande força, completamente diferente da respiração superficial”.

A potência desse fluxo de trocas aumenta quando conseguimos processar do lado de dentro aquilo que recebemos, como o exemplo do próprio ar. Quando percebemos que estamos recebendo algo, ficamos repletos. Da textura de uma folha à beleza de um gesto. Pelo simples fato de nos sentirmos presenteados, nós nos sentimos nutridos e assim ganhamos espaço interno para olhar o outro e a chance de processar e transbordar os benefícios recebidos para o ambiente ao redor. Quando, porém, não conseguimos enxergar o que recebemos, falta encantamento, nós nos sentimos desprovidos de riquezas e temos a sensação de precisar receber cada vez mais.

Reconhecer o potencial de cada presente pode exigir um exercício de afinar os instrumentos de apreciação da realidade. “Nós somos sujeitos ultrainformados, transbordantes de opiniões e superestimulados, mas também sujeitos cheios de vontade e hiperativos. E por isso, porque sempre estamos querendo o que não é, porque estamos sempre em atividade, porque estamos sempre mobilizados, não podemos parar. E, por não podermos parar, nada nos acontece”, escreve o educador Jorge Larrosa Bondía.

Segundo o autor, para que algo aconteça ou tenha o poder de nos tocar, precisamos fazer um gesto de interrupção: parar para pensar, sentir mais devagar, suspender a opinião e o juízo, cultivar a atenção e a delicadeza, aprender a lentidão, dar-se tempo e espaço. Ser observador e abrigo para as miudezas que saltam aos olhos. De fato, se estivermos sempre querendo o que não é, conectados a uma visão autocentrada e exigente de que tudo podemos e tudo merecemos, nossos pés correm o risco de perder o chão, desprezando o potencial de tudo o que recebemos cotidianamente.

“Anaga começou a mostrar à moça como era possível extrair incontáveis motivos de alegria daquela imensa riqueza inaproveitada. Conseguiu persuadi-la de como era possível encher uma cesta de flores, ir com ela até a escola para fazer uma distribuição ou mesmo presentear pobres mulheres que na vida nunca haviam recebido o agrado de uma flor sequer”, diz o livro Buddha. Ao sermos melhores receptores, quanta riqueza inaproveitada poderemos ainda experimentar e também transbordar para o ambiente ao nosso redor?



Leia Também

Fogos juninos

junho 25, 2022

Imagem de fogueira


“(…) os festejos juninos, em que eram acesos os ‘fogos pagãos’ em homenagem ao Sol, foram associados com o aniversário de João Batista, festejado pelos cristãos no dia vinte e quatro de junho. E os seres humanos que com o decorrer do tempo se converteram ao cristianismo, denominaram apenas de ‘fogos juninos’ as fogueiras em reverência ao Sol, que antes eram acesas para agradecer a Apolo, e que eram chamadas de ‘fogos de solstício’.” 

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final 

Leia Mais
Cooparticipação

junho 21, 2022

Postal com frase da obra Na Luz da Verdade, Mensagem do Graal de Abdruschin


Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Leia Mais
Circular em sintonia

junho 18, 2022

Aquarela, espiral infinito em tons de cor de rosa.

De acordo com as diversas direções que elegemos, vamos somando desejos, ideias e aspirações de uma determinada espécie e fortalecemos todo um grupo similar. Tecemos conexões e recebemos também em retorno um fluxo da mesma espécie. Perceber a própria capacidade de formar a realidade e a conexão com o todo gera sensação de pertencimento e sentido para as ações cotidianas, ajuda a vislumbrar o grandioso que existe no pequeno.
Leia Mais