Entre a Gota e o Oceano - Uma Reflexão sobre Ciência e Espiritualidade

maio 07, 2020

Uma gota de água translúcida caindo sobre um logo refletindo a beleza do entorno e a leveza do movimento da água.

O cientista e matemático inglês Isaac Newton dizia: “O que sabemos é uma gota, o que ignoramos é um oceano.” Com o oceano pela frente a ser desbravado, parece difícil explicar o mundo com base em uma gota. Mais difícil ainda, quando ao abrir o jornal, as péssimas notícias martirizam o humor já abalado de uns e a fé pouco convicta de tantos. Mas insistindo ainda na gota... 

“Considere-se a gota d’água, cuja incondicional pureza cada olho testemunha e que, observada através dum microscópio, encerra milhares de seres vivos, que dentro dela, sem piedade, lutam e se destroem. Não há, às vezes, bacilos na água, no ar, que possuem força para destruir corpos humanos, e que não são percebidos pelos olhos? Todavia se tornam visíveis através de instrumentos aperfeiçoados.” A riqueza e singularidade da vida na gota são tratadas pelo escritor e filósofo Abdruschin e ele prossegue: “Quem ousará ainda depois disso afirmar que não encontrareis coisas novas até agora desconhecidas, tão logo aperfeiçoardes melhor tais instrumentos? Aperfeiçoai-os mil vezes, milhões de vezes, mesmo assim a visão não terá fim; pelo contrário, diante de vós se desvendarão sempre de novo mundos que antes não podíeis ver nem sentir e que, todavia, aí já existiam. O pensamento lógico leva a idênticas conclusões sobre tudo o mais que as ciências até agora conseguiram colecionar. Dá-se a expectativa de permanente desenvolvimento e nunca, porém, de um fim.” 

A dificuldade em ver um fim, poderia ser traduzida pela imensidão do oceano de Newton. 

Querer entender e explicar o mundo faz parte da natureza humana. É desejo de cientistas, filósofos, religiosos... talvez seja possível generalizar, afirmando ser um anseio do ser humano como espécie. 

Com tamanha diversidade de pessoas é natural que as metodologias possam diferir, mas imaginar que ciência e espiritualidade seriam antagônicas não tem fundamento. 

Se por um lado, o vínculo unilateral de parte dos cientistas com o raciocínio puro, ignorando outros sinais do oceano ou qualquer tipo de espiritualidade, traz muitas vezes respostas parciais, por outro lado a recusa que a ciência sofre por parte de entidades religiosas — que na história, pode ser traduzida por casos como o de Galileu Galilei — não é justificável. 

Com certeza, ciência e espiritualidade podem e devem ser complementares. Se assim fosse, então o oceano diminuiria um pouquinho de tamanho.

Texto revisado, publicado no periódico Literatura do Graal, número 12.


Leia Também

Doadores

abril 08, 2021

Mão estendida para amparar

“Temos de nos mostrar dignos de nossa condição humana! Devemos nos movimentar e trabalhar, criando um mundo no meio do reino da natureza, um mundo de beleza e harmonia! Atuando assim, então não seremos somente os que recebem, mas também os doadores!”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais
Perda

abril 06, 2021

Por do sol refletindo na água

“Somente no decorrer dos últimos sete mil anos é que foi aniquilado totalmente o verdadeiro saber que as criaturas humanas possuíam da atuação dos enteais.”

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final
Leia Mais
Mentira

abril 01, 2021

Foto. Horizonte de terreno ressecado com tênue linha infinita de nuvens duradas em movimento.

“Nós, incas, não conhecíamos a mentira. Nem tínhamos uma palavra ou uma expressão para denominar tal mal. Agora, contudo, somos obrigados a nos ocupar com esse mal, se quisermos libertar os outros disso e curá-los”.

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais