Contentamento

dezembro 19, 2019

Imagem do texto "Contentamento" - O Vaga-Lume

 
Enquanto um consegue enxergar no trânsito a oportunidade de ouvir uma boa música, o outro só vê irritação e azar. Enquanto um contorna os problemas cotidianos com mais otimismo do que reclamações, o outro se aborrece com o primeiro farol vermelho que enfrenta pelo caminho. É verdade que cada pessoa tem a sua lente única de enxergar a vida. Lente esta permeada por experiências anteriores, anseios íntimos e pela própria personalidade. Mas, independentemente de qualquer cenário externo, é possível dominar o caos mental e, num pacto entre mente e coração, descobrir um sentimento chamado contentamento.

Cada um procura este tal contentamento de um jeito ou em um determinado lugar. Há os que tentam encontrá-lo no consumo e na satisfação de desejos incessantes, mas sendo um dos desejos satisfeito, logo um novo se coloca no lugar... e o desejo acaba sendo sempre maior que o contentamento!“Quando o ser humano terreno de hoje fala de felicidade, entende ele com isso o ganho de valores terrenos materialmente palpáveis e visíveis. Sua felicidade é uma felicidade aparente, amarrada ao espaço e ao tempo, não tendo nenhuma semelhança com a bem-aventurada felicidade espiritual”, comenta a escritora Roselis von Sass em O Livro do Juízo Final.

As necessidades físicas já foram preenchidas e agora a sociedade está à procura de satisfações inatingíveis, dizem especialistas em tendências de consumo. A tônica do consumo não está mais no novo, mas sim no conforto que gera segurança, em algo que não alimente o corpo, mas sim a alma. Se os “marqueteiros” já descobriram por onde anda a carência do homem, será que nós próprios não poderíamos investir no preenchimento desta lacuna?

Uma das visões exploradas no livro Felicidade, de Eduardo Gianetti, sugere o seguinte:“O que não dá para engolir é a ideia de que a felicidade é alguma coisa que você compra, embrulha e leva para casa, como aspirinas e picolés. A felicidade não é algo ligado ao ter, mas ao fazer. Ela não é um humor ou um estado de ânimo, por mais exaltados e duradouros que sejam, mas o resultado de uma vida bem conduzida, ou seja, das escolhas e valores que definem nosso percurso.” Como tudo na vida, essa ideia faz pensar que também o contentamento não seria algo casual, mas sim o resultado de uma busca.

Um outro conceito interessante associado ao contentamento pode ser o equilíbrio: por exemplo, o equilíbrio entre trabalho e descanso. Isso significa permitir a si mesmo momentos de desligar o botão da mente e divagar um pouco pela vida buscando, cada um a seu modo, instantes de uma paz inspiradora.

O equilíbrio entre dar e receber também pode ter uma abordagem interessante. Se não temos contentamento, não adianta desejar que ele venha na bandeja ofertada pelo mundo, pelo marido, pelo vizinho ou pelo chefe. Se apenas recebermos, nem sempre seremos felizes e nem sempre poderemos nos apropriar da dádiva realmente. Soma-se a isso o fato de que esperar do outro gera expectativas. Como sugerem Roberto Johnson e Jeny Ruhl no livro Contentamento: “Mantenha suas expectativas pequenas que seu contentamento será grande”. É, é capaz mesmo que um grande vilão do descontentamento sejam as enormes expectativas fantasiosas. Elas são capazes de fazer qualquer relacionamento infeliz.

Se, apesar dos tantos avanços tecnológicos, o mundo está doente na economia, nas epidemias, no meio ambiente e assim por diante, nossa alma pode também não estar muito saudável. Aliás, o mundo externo não deixa de ser um reflexo de quem somos. Por isso, precisamos aprender a medicar nosso “eu interior” para o contentamento se transformar também em algo que saia de dentro para fora e não apenas entre de fora para dentro na forma de um novo perfume. Quando vem de dentro para fora, o contentamento pode durar a vida inteira e não apenas o tamanho do frasco.

Dar uma regulada na velha e viciada lente de enxergar a vida pode também facilitar a visualização do que está faltando para alcançar o contentamento. Depois disso, pode até ser que reste um dinheirinho a mais no bolso, porque será possível aprender a amar também o contentamento que não está à venda e que as crianças pequenas conhecem bem. O contentamento simples que se alcança com o olhar virgem de quem é capaz de descobrir!

Texto revisado, publicado no periódico Literatura do Graal, número 8.



Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais