As estações e seus movimentos

setembro 11, 2021

Ilustração de céu de cidade com pipas

O ser humano é uma ave migratória em busca de condições favoráveis de vida, sempre em movimento. Mas quantas movimentações existem dentro do grande movimento?

— Você consegue movimentar? – pergunta o médico, referindo-se à perna, ao pé, a um dedo… O movimento é sinal de saúde. Saúde do corpo e também das emoções, porque o movimento se assemelha à esperança. Ele carrega consigo um propósito: ir, fazer. Verbos de ação para quem consegue ter força, ímpeto, desejo. O impulso de uma ave empenhada em migrar para territórios aprazíveis e quentes.

As estações do ano contam histórias sobre as possibilidades de movimento. A primavera do desabrochar, o verão da plenitude, o outono da introspecção e o inverno da contenção e preparação para a renovação do ciclo. Conter e restaurar internamente para depois explodir potências. Os movimentos humanos também têm seus ritmos e estão em conexão com os diversos ciclos da natureza. 

Assim como os nossos movimentos podem ser mais energizados ou mais calmos, as respostas da vida também têm seus ciclos e suas velocidades, orientadas por diversos fatores, dentre eles as irradiações dos astros.

Abdruschin escreve em
Na Luz da Verdade : “As irradiações dos astros formam somente os caminhos e os canais através dos quais tudo o que é vivo na matéria fina pode chegar mais concentradamente a uma alma humana, a fim de ali se efetivar. Falando figuradamente, pode-se dizer: os astros assinalam as épocas em que os efeitos retroativos e outras influências através da condução das irradiações podem fluir sobre o ser humano mais concentrada e cerradamente.”

Os períodos em que sentimos as respostas da vida mais lentas assemelham-se ao inverno, com seu movimento descendente, a queda na luz e na temperatura. É como se houvesse uma energia de retração, concentração, densificação, uma energia de silêncios. A aparente estagnação não significa, contudo, uma falta de movimentação, mas pode ser um período de maturação. O interior trabalha. A árvore se recupera do esforço do fruto para poder recomeçar.

Já a estagnação, que pode nos acometer, consequência de algum desânimo ou desesperança, não significa que estejamos necessariamente parados, porque continuamos em conexão com o movimento da vida. E a natureza tem seus fluxos contínuos. Assim, a paralisação pode gerar, por exemplo, o atrofiamento de um músculo ou de alguma outra capacidade. Se a falta de movimentação humana gera o atrofiamento, esse atrofiamento não deixa de ser um movimento da natureza.

Mesmo quando não estagnados, há fases em que não sabemos bem para onde ir, que tamanho de passo dar. Contudo, o empenho em começar um movimento já é em si um avanço, que traz força e inspira e, até mesmo, ajuda a encontrar a direção. O movimento aquece não apenas o corpo, mas uma rede de intenções, inspirações, força. Cada movimento gera outro novo e nada fica sem resposta.

Para além do movimento físico e do movimento cotidiano de trabalho, há um movimento interno que pulsa, uma força que mobiliza, dá vida e concede maior presença aos movimentos externos. Quando migra, o pássaro não plana só nos ventos, mas também escolhe sua direção. A movimentação interior, que vem do espírito e da alma, valoriza os movimentos físicos e as escolhas cotidianas, traz vivacidade por meio de experiências, aprendizados e fortalecimento de convicções. Alimenta o pulso criativo, traz alegria e paz.

Mesmo sem saber exatamente para onde ir, é possível exercitar e aquecer as asas. Estamos sempre migrando para um novo panorama, com novas vistas e oportunidades de desenvolvimento, e o verão pode irromper a qualquer movimento.

“A natureza encerra muitos milagres. Tudo se encontra em movimento. Ininterruptamente! Não obstante, nada sai do equilíbrio.”



Leia Também

Tempo Universal

fevereiro 07, 2023

Foto da Grande Pirâmide, imagem de baixo para cima, contraste de sua magnitude com o azul do céu sobre o seu topo.

“A pirâmide surgira da vontade do onipotente Criador. Através de milênios deveria ela ser um marco de advertência, lembrando sempre de novo os seres humanos de que o tempo do último julgamento se aproxima.”

Roselis von Sass, A grande Pirâmide revela seu Segredo
Leia Mais
Verdade que Ilumina

fevereiro 04, 2023

Foto de cachoeira com duas cortinas de água, dois degraus de queda em meio a margens de pedra e contorno natureza verdejante.

“A verdade é a água da vida! A verdade é iluminação, luz, força!… A mentira é a origem de todo o mal no Universo!…”

Roselis von Sass, Sabá O País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Utilidade na natureza

janeiro 31, 2023

Planta verde em formato de mandala

“Quando me foi permitido reunir-me novamente com meus acompanhantes, para vivenciar mais uma parte do desenvolvimento do meu astro-pátrio, vi que a Terra já estava coberta de verde em muitos lugares.

Roselis von Sass, O Nascimento da Terra
Leia Mais