Aprender amplitudes

fevereiro 16, 2021

Ilustração de caracol em folha de árvore


Tem uma paineira perto da minha casa. Pela janela da sala, assisto à sua copa passando pelas 
estações. Quando me quero planta, me imagino uma delas. Prima das sumaúmas, ela fornece painas que dão colo para pássaros em ninhos primaveris.

A árvore parece contraditória. Talvez por isso seja tão interessante. Espinhos cobrindo o tronco contrastam com a leveza do algodão e das flores cobrindo a copa. Os espinhos servem para proteger a espécie e impedem a subida de mamíferos e répteis, cuidando dos pássaros que se alimentam dos frutos e sementes lá em cima.

Parece que, quando jovem, seus espinhos são mais evidentes. Com a altura e a idade, eles ficam mais brandos. Será que com as pessoas também acontece assim?

Há quem acredite que as experiências, ao longo da vida, têm o efeito de ampliar a realidade e afastar o sonho. Algumas pessoas parecem até deixar, propositadamente, os espinhos crescerem bastante para repelir qualquer sonho que queira aproximar-se. Manobra arriscada. Quando os espinhos se esticam muito, eles trocam de função: deixam de ser defesa e passam a ser desesperança. É como quando deixamos que as experiências difíceis enruguem as ternuras. O algodão e a flor ficam esquecidos lá no alto, enquanto só nos ocupamos com a nossa fileira afiada de espinhos.

Mas há também as pessoas que conseguem manobrar as experiências de um jeito, que a anatomia ganha outro contorno. Elas acreditam que as experiências servem para aprender amplitudes. E dentro das amplitudes cabe um montão de coisas. É o tipo de gente que cuida ao mesmo tempo de espinho, flor e algodão. Às vezes, cuida mais de uma coisa e, às vezes, mais da outra. Mas, enquanto experimenta a vida, continua crescendo. E, de vez em quando, consegue ter uma vista tão boa lá do alto da sua altura, que já se sente forte o suficiente para se proteger sem precisar de tanto espinho. Igual à paineira. Quanto mais alta e mais experiente, menos espinhos. Quando me quero planta, me sonho uma delas.

“O caminho para as alturas espirituais é espinhoso e por toda parte espreitam ciladas! Somente o ser humano que incansavelmente luta contra suas próprias fraquezas e erros alcançará tais alturas, portanto aquele que não se cansar durante a escalada. Se não o fizer, os próprios erros tornar-se-ão armadilhas, nas quais se prenderá.”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias



Leia Também

Guardião de seu destino

outubro 01, 2022

Figura humana caminhando, imagem de pernas, em trilha aberta de capim rasteiro ao brilho de luz tímida.

“Uma pessoa que reconhece seus erros e que se liberta deles o mais breve possível nunca poderá cair no abismo! Apenas temos de ser sempre vigilantes, a fim de não perdermos o caminho para a felicidade celeste. Cada ser humano há de se tornar guardião de seu destino! Guardai isso bem! Cada um para si…”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Cooparticipar

setembro 27, 2022

Foto de flor branca em fundo escuro, iluminada por luz de fundo a esplandecer.

Entretanto, também pode dar-se o contrário; podeis contribuir também, e mais fortemente ainda, para a paz e a bem-aventurança da humanidade, podeis, mediante pensamentos puros e alegres, coparticipar das obras que através de vós são realizadas por pessoas, mesmo distantes. 
Eis logicamente por que motivo aflui sobre vós também a bênção, sem que saibais a razão de a receberdes.” 

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Desprender

setembro 25, 2022

Ilustração de flor azul


Podemos até achar que somos livres, como uma pipa ao vento. Mas, se prestarmos atenção, talvez estejamos ainda ligados por um fio a valores que precisam ser deixados ou reformulados.

Leia Mais