Aprender amplitudes

fevereiro 16, 2021

Ilustração de caracol em folha de árvore


Tem uma paineira perto da minha casa. Pela janela da sala, assisto à sua copa passando pelas 
estações. Quando me quero planta, me imagino uma delas. Prima das sumaúmas, ela fornece painas que dão colo para pássaros em ninhos primaveris.

A árvore parece contraditória. Talvez por isso seja tão interessante. Espinhos cobrindo o tronco contrastam com a leveza do algodão e das flores cobrindo a copa. Os espinhos servem para proteger a espécie e impedem a subida de mamíferos e répteis, cuidando dos pássaros que se alimentam dos frutos e sementes lá em cima.

Parece que, quando jovem, seus espinhos são mais evidentes. Com a altura e a idade, eles ficam mais brandos. Será que com as pessoas também acontece assim?

Há quem acredite que as experiências, ao longo da vida, têm o efeito de ampliar a realidade e afastar o sonho. Algumas pessoas parecem até deixar, propositadamente, os espinhos crescerem bastante para repelir qualquer sonho que queira aproximar-se. Manobra arriscada. Quando os espinhos se esticam muito, eles trocam de função: deixam de ser defesa e passam a ser desesperança. É como quando deixamos que as experiências difíceis enruguem as ternuras. O algodão e a flor ficam esquecidos lá no alto, enquanto só nos ocupamos com a nossa fileira afiada de espinhos.

Mas há também as pessoas que conseguem manobrar as experiências de um jeito, que a anatomia ganha outro contorno. Elas acreditam que as experiências servem para aprender amplitudes. E dentro das amplitudes cabe um montão de coisas. É o tipo de gente que cuida ao mesmo tempo de espinho, flor e algodão. Às vezes, cuida mais de uma coisa e, às vezes, mais da outra. Mas, enquanto experimenta a vida, continua crescendo. E, de vez em quando, consegue ter uma vista tão boa lá do alto da sua altura, que já se sente forte o suficiente para se proteger sem precisar de tanto espinho. Igual à paineira. Quanto mais alta e mais experiente, menos espinhos. Quando me quero planta, me sonho uma delas.

“O caminho para as alturas espirituais é espinhoso e por toda parte espreitam ciladas! Somente o ser humano que incansavelmente luta contra suas próprias fraquezas e erros alcançará tais alturas, portanto aquele que não se cansar durante a escalada. Se não o fizer, os próprios erros tornar-se-ão armadilhas, nas quais se prenderá.”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias



Leia Também

Injustiça

julho 31, 2021

Foto de botão semi aberto de rosa, cor de rosa, jogado sobre espelho d'agua em asfalto.

"Acautelai-vos de pronunciar palavras que encerrem injustiça! Com isso perdereis muito mais do que o outro a quem quereis atingir! Nunca vos esqueçais de que palavras más e injustas provocam feridas que deixam cicatrizes! E que são capazes de destruir confiança e amizades!"

Roselis von Sass, Sabá O País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Novo dia

julho 27, 2021

Borboleta laranja delicadamente pousada sobre folhagem verde.

Roselis Von Sass, A Desconhecida Babilônia
Leia Mais
Humildade e Modéstia

julho 24, 2021

Foto de concha de circular em em destaque em leito de musgo verde e fresco, rodeada de flores lilases de diversos tamanhos.

“Humildade e modéstia
essas duas virtudes viviam nos corações de todos os seres humanos. Eram filhos do Sol que viviam na Terra sob o resplendor da pureza.

Roselis von Sass, Os Primeiros Seres Humanos
Leia Mais