A paz possível

fevereiro 20, 2014


Sibélia Zanon



Observar o pica-pau comendo embaixo do abacateiro me fez pensar sobre a paz. Talvez ler essa frase leve alguns a imaginar a beleza bucólica da cena, a tranquilidade de se ter um abacate fresco disponível, a liberdade de ser pássaro... Mas o que me chamou a atenção naquela cena foi outra coisa.
O pica-pau-de-cabeça-amarela não parecia exclusivamente entregue ao deleite cremoso da fruta. Ele estava atento. A cada bicada, uma parada: corpo ereto, olhar observador, avaliando riscos. O topete longo amarelo dançava para baixo, em direção à fruta e voltava, ondulando para cima, em vigília. “É seguro dar a próxima bicada? Nenhum predador por perto?”
A paz é um artigo de luxo que não se pode comprar. Poucos a possuem. Mas será que nem os pássaros usufruem dela embaixo do abacateiro?
Sobre a luta na natureza, Abdruschin, pensador alemão, propõe a seguinte reflexão:
“Mesmo na luta entre os animais só existem bênçãos, nenhuma crueldade. Basta que se observe bem qualquer animal. Tomemos, por exemplo, o cão. Quanto mais atenciosamente for tratado tal cão, tanto mais comodista se tornará, mais preguiçoso. Se um cão vive na sala de trabalho de seu dono e este atenta, cuidadosamente, para que o animal jamais seja pisado, ou apenas empurrado, mesmo que se deite em lugares onde constantemente esteja em perigo de poder ser machucado sem intenção, como junto à porta, etc., isso redunda apenas em prejuízo do animal.
Em bem pouco tempo o cão perderá sua própria vigilância. Pessoas ‘de bom coração’ dizem, atenuando ‘afetivamente’, talvez até comovidas, que com isso ele mostra uma ‘confiança’ indizível! Sabe que ninguém o machucará! Na realidade, porém, nada mais é do que uma grave diminuição da capacidade de ‘vigilância’, um acentuado retrocesso da atividade anímica.”
Segundo a reflexão, estar alerta para defender-se não é uma crueldade, mas parte das capacitações desenvolvidas naturalmente por cada animal. A vigilância é, portanto, uma qualidade conquistada. Evitar a superproteção desnecessária, não exclui, contudo, que se construa uma relação de confiança e afeto, observando o que pode ser exigido de cada animal e que necessidades precisam ser supridas.
E onde nós, humanos, e a nossa paz desejada nos encaixamos nessa história? A paz para o ser humano, assim como para os animais, talvez não seja a ausência total de perigos e nem mesmo a ausência de atividade, como corremos o risco de pensar.
Buscando na minha memória fragmentos banhados da sensação de paz, vejo que eles podem acontecer nas férias, em meio a paisagens bucólicas ou em países mais seguros. Mas vivi alguns momentos de paz ainda com maior intensidade em períodos de trabalho, ao finalizar algo que me parecia importante. Talvez a paz esteja ligada ao equilíbrio entre atividade e descanso e, em parte, à ideia de missão cumprida. Ela não cai, então, como um banquete pronto na bandeja dos afortunados, mas é construída.
Muitos imaginam que a paz seria a ausência de qualquer tipo de pressão, e não é. A paz é justamente a condição de impedirmos qualquer forma de segregação ou de apequenamento da vida e também da nossa condição de felicidade”, avalia Mario Sergio Cortella. A opinião do educador também aponta para um tipo de paz ativa e construída.
“Não vou brigar para ficar em paz”, ouve-se por aí. Esse caminho pode ser válido em muitas situações, mas será que ele sempre dá certo? Quem evita todo conflito por medo de se posicionar, ignorando as suas crenças e ocultando sua maneira de pensar, fica em paz?
Buscando um entendimento sobre a paz possível e real e considerando que ela não acontece sozinha, talvez exista uma ação principal que, quando cuidada, consiga andar de mãos dadas com a paz. “Conservai puro o foco dos vossos pensamentos, com isso estabelecereis a paz e sereis felizes!”, escreve Abdruschin.
Cuidar dos pensamentos emitidos e cultivados pode ser o berço da paz. Não cultivar pensamentos-sementes que tenham o potencial para se transformarem em monstros é o primeiro passo.
Pode parecer algo pequeno, considerando a paz ser tão grandiosa. Mas as mais diversas ações nascem de pensamentos, o mundo que nos cerca está cheio de pensamentos prontos para se unirem a outros pensamentos-irmãos, que acabam fortalecendo-se mutuamente e podem influenciar outras mentes. Por meio dos pensamentos constroem-se pontes ou barreiras em direção às pessoas ao redor.
Para exemplificar, poderíamos imaginar um ambiente de trabalho hostil, em que pouco se trabalha e muita política se faz, em que alguns só pensam e planejam driblar os colegas e atropelá-los para chegar ao pódio o mais rápido possível. Pensam exaustivamente em meios de manipular informações a respeito de determinado colega, difamam outro e mentem sobre as conquistas realizadas, tentando sobressair a qualquer custo. Como trabalhar em paz num ambiente assim?
Os fantasmas que se cria ao pensar nas mais diversas formas de prejudicar o próximo para sair por cima de qualquer situação não são fantasmas inofensivos ou simples pensamentos que “não pagam taxas”, mas são pensamentos-monstros que ficam perambulando por ali e voltam para assombrar seus donos quando eles menos esperam.
O exemplo serve para ilustrar o tema, contudo, tantos são os pensamentos de inveja, ódio, vingança, que não podemos imaginar coisas boas frutificando por aí. Mas... e se imaginarmos outros tipos de pensamentos? Os pensamentos de amor e bem querer são igualmente ou ainda superiormente fortes e podem ganhar poder com maior afluxo de pensamentos similares, influenciando pessoas para as boas ações e gerando o bem.
A paz não é construída a partir de uma receita pronta. É preciso conquistá-la a cada passo, dentro das condições que a vida apresenta e dentro da maturidade e capacitações de cada um. Mas, se conseguirmos afastar de nossas mentes as sombras e fantasmas pensados, passando a nutrir apenas pensamentos edificantes e positivos, aos poucos o ambiente ao redor vai mudar e a paz pode até chegar mais perto.
Aí, quem sabe, continuaremos alertas como o pica-pau embaixo do abacateiro, mas teremos outras condições anímicas para saborear a vida, mais leveza e afago no lugar de tanto desassossego desnecessário.



Leia Também

Ensino Inca

janeiro 26, 2021

crianças brincando no pôr do sol

“No decorrer dos séculos foram fundadas muitas escolas. No próprio reino inca e posteriormente também nas cidades de todos os povos que formavam uma ‘união’ com os incas. Em parte alguma havia um ensino unilateral. O equilíbrio entre o espírito e o corpo era sempre observado”.

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais
Força

janeiro 21, 2021

Postal com ilustrações de cocos e frase: "(...) a força advém unicamente do espírito! O vigor, do corpo!" - Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal - Abdruschin


Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Leia Mais
Confiança e convicção

janeiro 19, 2021

Interior de cânions típicos do deserto

 
"'Moisés escuta: o povo te acreditará, se tua própria fé for invencível’, disse o príncipe serenamente. ‘Dúvidas e medo são acompanhantes perigosos. Põe, em lugar deles, a confiança e a convicção, então terás aliados poderosos! Quem tiver de cumprir uma missão, a esse abrem-se concomitantemente as fontes da força e do saber!'"

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias

Leia Mais