Sentimentos domesticados

agosto 12, 2015

Sibélia Zanon
 
Como quem caminha por um túnel sombrio, deparamos vez por outra com conceitos obscuros e conflitantes e, por estranho que pareça, somos aconselhados a não questioná-los.

 

O dia das mães, o dia dos pais, entre outros, invadem o imaginário coletivo com o marketing das famílias indiscutivelmente amorosas. Muitos se sentem culpados por não usufruírem da mesma cordialidade que a propaganda propõe ou por questionarem as medidas do amor.


 

Existe amor compulsório? Admiração compulsória? Ou esse 
tipo de sentimento é norteado, no interior de cada um, por águas mais profundas?

 

“Como pode uma criança respeitar o pai que se degrada no vício da bebida ou uma mãe que torna todas as horas amargas ao pai e a todos no lar, em virtude dos seus caprichos, pelo seu temperamento desenfreado, por falta de autocontrole e por tantos outros modos que impossibilitam inteiramente o surgir de uma atmosfera serena! Pode uma criança honrar os pais quando os ouve insultar-se mutuamente de forma pesada, quando enganam um ao outro ou quando chegam até a agredir-se?”, questiona Abdruschin em Os Dez Mandamentos e o Pai Nosso.

 

Sofremos, muitas vezes, em prisões construídas pela pobreza das interpretações, pelos conceitos formatados, que não admitem questionamentos e dúvidas.

 

Em sua exposição sobre o mandamento Honrarás pai e mãe!, Abdruschin ainda escreve: “O mandamento impõe deveres incondicionais aos pais para que conservem sempre completa consciência de sua elevada missão, e com isso também mantenham sempre diante dos olhos a responsabilidade que nela se encontra”. O mandamento não seria, então, dirigido exclusivamente aos filhos, mas sobretudo aos pais.


 

A admiração, o respeito e o amor não são objetos, que podem ser vendidos pelo marketing ou inseridos, por meio de conceitos obscuros, no interior de pais e filhos. São, na realidade, sentimentos genuínos, com caráter transformador, que não se deixam domesticar tão facilmente. 



Leia Também

Pais

agosto 09, 2020

Pai caminhando em estrada de terra de mãos dadas com filho pequeno.


"Que tesouro não é tirado de cada criança, quando  
não  pode honrar com toda a alma seu pai e sua mãe!”

Abdruschin, Os Dez Mandamentos e o Pai Nosso
Leia Mais
Enriquecimento

agosto 06, 2020

Aquarela de abelha esverdeada, metalizada, sobre mini orquídeas brancas.

“Podemos ser amigos do pequeno universo do qual fazemos parte, preservando e enriquecendo o que há de bom nele. Podemos ser amigos e admiradores incuráveis das pessoas, do nosso pedaço de chão, do rio vizinho, do ar, das árvores e dos animais.”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Lei da Harmonia

agosto 04, 2020

Imagem de orquídea cor de rosa escuro, pintadinha, em zoom de todos os detalhes e sua beleza.

“O mal se destrói a si mesmo! Apenas o que estiver ancorado na lei da harmonia tem existência duradoura!”


Roselis von Sass, A Desconhecida Babilônia
Leia Mais