Sentimentos domesticados

agosto 12, 2015


Sibélia Zanon

Como quem caminha por um túnel sombrio, deparamos vez por outra com conceitos obscuros e conflitantes e, por estranho que pareça, somos aconselhados a não questioná-los.

O dia das mães, o dia dos pais, entre outros, invadem o imaginário coletivo com o marketingdas famílias indiscutivelmente amorosas. Muitos se sentem culpados por não usufruírem da mesma cordialidade que a propaganda propõe ou por questionarem as medidas do amor.


Existe amor compulsório? Admiração compulsória? Ou esse 
tipo de sentimento é norteado, no interior de cada um, por águas mais profundas?

“Como pode uma criança respeitar o pai que se degrada no vício da bebida ou uma mãe que torna todas as horas amargas ao pai e a todos no lar, em virtude dos seus caprichos, pelo seu temperamento desenfreado, por falta de autocontrole e por tantos outros modos que impossibilitam inteiramente o surgir de uma atmosfera serena! Pode uma criança honrar os pais quando os ouve insultar-se mutuamente de forma pesada, quando enganam um ao outro ou quando chegam até a agredir-se?”,questiona Abdruschin em Os Dez Mandamentos e o Pai Nosso.

Sofremos, muitas vezes, em prisões construídas pela pobreza das interpretações, pelos conceitos formatados, que não admitem questionamentos e dúvidas.

Em sua exposição sobre o mandamento Honrarás pai e mãe!,Abdruschin ainda escreve: “O mandamento impõe deveres incondicionais aos pais para que conservem sempre completa consciência de sua elevada missão, e com isso também mantenham sempre diante dos olhos a responsabilidade que nela se encontra”.O mandamento não seria, então, dirigido exclusivamente aos filhos, mas sobretudo aos pais.


A admiração, o respeito e o amor não são objetos, que podem ser vendidos pelo marketingou inseridos, por meio de conceitos obscuros, no interior de pais e filhos. São, na realidade, sentimentos genuínos, com caráter transformador, que não se deixam domesticar tão facilmente. 




Leia Também

Auxílio do Saber

janeiro 16, 2020

Imagem do texto "Auxílio do saber" - Livro "Fios do Destino Determinam a Vida Humana" de Roselis von Sass


“Como auxílio, na atual transformação para uma nova era, foi-nos dado, com 
simplicidade e grandeza, um saber referente a todas as leis da Criação e ao sentido e finalidade de nossa vida, bem como a respeito de todas as conexões da existência humana."

Roselis von Sass, Fios do Destino Determinam a Vida Humana

Leia Mais
Preparativos

janeiro 14, 2020

Imagem do texto "Preparativos" - "O Nascimento da Terra" de Roselis von Sass


“De uma coisa, subitamente, me conscientizei: de que cada modificação da Terra, 
seja na água ou no solo, até mesmo tudo o que foi plantado e depois desapareceu em virtude de uma transformação terrestre, inclusive os animais, que não podiam sempre ser os mesmos, e muitas outras coisas mais, das quais agora não me recordo, consistia apenas em preparativos para a vinda dos espíritos humanos a este planeta.”

Roselis von Sass, O Nascimento da Terra

Leia Mais
Alegria

janeiro 09, 2020

Imagem do texto "Alegria" - Livro "Atlântida Princípio e Fim da Grande Tragédia", de Roselis von Sass


“Todo o brilho do ser humano tem sua origem em seu espírito puro. Todos os entes da natureza, também os animais e plantas, são atraídos por esse brilho, sentindo seu efeito benéfico… Em compensação eles nos oferecem uma dádiva preciosa. É a alegria!”

Roselis von Sass, Atlântida Princípio e Fim da Grande Tragédia

Leia Mais