Pingo de gente

setembro 26, 2020


Mão segurando uma pequena flor branca

“Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina chorava por algum motivo especial, mas ninguém entendia a sua dor. A dor parecia tão pequenina aos olhos dos adultos: eles estavam sem microscópios, sem binóculos, sem lentes de aumento. Eles não podiam ver. A menina ficou por ali com seu pingo de tristeza, sozinha. 

Dizem que é bom chorar na chuva porque assim ninguém percebe. Mas melhor mesmo é ter alguém por perto para ajudar a secar um pedacinho da tristeza. E a arte de secar a tristeza é um grande malabarismo. 

Foi mais ou menos isso o que contava outro dia um médico. Ele dizia que é possível diminuir a dor, mas não aludia a remédios de última geração. Falava de palavras. Contava que, com o tempo, foi entendendo melhor os pacientes e percebendo que cada pessoa precisa de uma palavra diferente. Em geral, os mais jovens precisam ouvir que não vão morrer e os mais velhos precisam entender que a sua dignidade será respeitada. Para cada paciente existe a palavra certa que pode tranquilizar e diminuir o tamanho da dor.

Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem! Mas, e as dores do corpo? Também essas têm muitos mistérios, mas parecem providas de lógica mais visível. E não é que são até necessárias? Funcionam como um alarme do corpo, um pedido de socorro e de proteção. É como o grito de um dedo que precisa ser afastado do calor porque está sendo queimado. Assim como tudo tem mais de um lado, a dor que é ruim, de repente, é boa. 

E pensando em dois lados lembrei de uma cicatriz que tenho desde que quebrei o braço. Enquanto as dores físicas deixam aqui e ali suas marcas, as tristezas também marcam aqui e acolá uma ruga. E o acúmulo de marcas, que às vezes assustam um pouco quando refletidas no espelho, não é uma coisa à toa não. Dizem por aí que os mais velhos são mais compreensivos e generosos. Tudo culpa da coleção de cicatrizes vividas pelo mundão afora. Acontece que as dores e tristezas têm uma boa herança a deixar: lentes, microscópios e binóculos para enxergar a tristeza dos outros. 

Talvez o maior ensinamento que as mais diversas marcas possam trazer para a vida seja o respeito pela dor alheia. Afinal, ninguém viveu todas as dores e tristezas do mundo para poder avaliar o tamanho da dor do outro. E sabendo disso, começa a nascer a compreensão e a generosidade, como se as marcas pudessem sussurrar coisas que não se aprendem na escola. 

Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta


Leia Também

Guardião de seu destino

outubro 01, 2022

Figura humana caminhando, imagem de pernas, em trilha aberta de capim rasteiro ao brilho de luz tímida.

“Uma pessoa que reconhece seus erros e que se liberta deles o mais breve possível nunca poderá cair no abismo! Apenas temos de ser sempre vigilantes, a fim de não perdermos o caminho para a felicidade celeste. Cada ser humano há de se tornar guardião de seu destino! Guardai isso bem! Cada um para si…”

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Cooparticipar

setembro 27, 2022

Foto de flor branca em fundo escuro, iluminada por luz de fundo a esplandecer.

Entretanto, também pode dar-se o contrário; podeis contribuir também, e mais fortemente ainda, para a paz e a bem-aventurança da humanidade, podeis, mediante pensamentos puros e alegres, coparticipar das obras que através de vós são realizadas por pessoas, mesmo distantes. 
Eis logicamente por que motivo aflui sobre vós também a bênção, sem que saibais a razão de a receberdes.” 

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Desprender

setembro 25, 2022

Ilustração de flor azul


Podemos até achar que somos livres, como uma pipa ao vento. Mas, se prestarmos atenção, talvez estejamos ainda ligados por um fio a valores que precisam ser deixados ou reformulados.

Leia Mais