O cotidiano é a viagem

março 19, 2013


Sibélia Zanon


Olhava da janela do avião frágeis montinhos de terra que se pronunciavam aqui e ali, como a provocar o mar.

Algumas ilhas eram um pouco maiores e denunciavam penhascos, guarnecidos de casas brancas enfileiradas, que se debruçavam na água, dando a entender que homem e mar dançam por ali uma melodia perigosa e sedutora.

Mediante a força da paisagem e do vento, menor do que um passageiro num avião, eu me sentia mais como um pernilongo agarrado a um ultraleve.

Logo mais, com os pés já no chão, o montinho de terra parecia uma ilha grande o suficiente para abrigar todos aqueles turistas, ilha que eu não conseguia explorar nem em sonho à pé.

A sensação dos contrastes 
foi semelhante ao subirmos
 de jipe uma montanha em 
Minas Gerais. Havia patamares diferentes, em que
podíamos ter cada vez
maior visibilidade da
paisagem no entorno. 
Chegou a ser uma surpresa, quando, ao conquistar o topo, conseguimos ter uma noção
de tudo o que avizinhava aquele morro: natureza, pequenas casas, cidades maiores ao longe e tanto mais. Paisagens impossíveis de se imaginar antes de começar a subida.

Viver é estar num avião ou numa montanha o tempo todo. Por alguns momentos estamos vendo uma situação lá do topo, com abrangência. Quando o assunto muda, voltamos para a base da montanha e não conhecemos bem a paisagem por completo, tendo uma visão fragmentada.

No caminho, encontramos pessoas que também estão experimentando patamares diferentes nas montanhas.


Nem sempre conseguimos julgar acertadamente de qual patamar da montanha ou de que coordenada, se leste ou sul, o interlocutor está falando. Pode ser que ele já tenha passado por esse mirante em que estou e tenha alcançado o topo, enxergando muito mais e tendo, portanto, um bocado de paciência para me escutar contar sobre a paisagem aqui de baixo. Ou pode ser também que ele ainda não conheça a paisagem que estou vendo e eu é que precisarei de paciência para fazê-lo entender por que vejo algo a mais.

E como nem tudo na vida se trata de coordenadas geográficas, na maioria das vezes não poderei decifrar se ele está no topo ou na base da montanha, se ele já viu a casinha bucólica que estou vendo agora em detalhes ou se ainda não alcançou esse mirante. Esse é o charme e o desafio do passeio. Não se pode julgar e descartar facilmente a visão do outro. A lente com a qual ele experimenta o mundo é só dele e depende da viagem particular que ele está fazendo ou já fez ao longo da vida. Isso demanda um grande respeito e paciência ao interagir. E mais que tudo, humildade para reconhecer que existem outros mirantes e tentar ver a paisagem de um patamar novo e desconhecido.




Leia Também

À espera de Óstara

abril 09, 2020

Ninho de pássaros com ovos pintados de vermelho dentro
"Assim que era anunciada a chegada de Óstara, iniciava-se uma intensa atividade entre os seres humanos. Casas, quintais e estábulos eram limpos, e tudo o que era inútil e velho era queimado… As mulheres preparavam ninhos nas hortas e nos campos, colocando neles ovos pintados de vermelho. Com isso esperavam ardentemente que a deusa os visse e os abençoasse…”

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final
Leia Mais
Paisagem do mundo

abril 07, 2020

Ilustração de pinhão com frase: "Tudo o que vibra do interior — os pensamentos em que se investe, a forma como se usa o tempo, as palavras pronunciadas —  são sementes que desenham a paisagem do mundo." Espiando pela Fresta - Sibélia Zanon 


Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta

Leia Mais
Força curativa

abril 04, 2020

Galho repleto de flores rosadas com folhagem verde

 
"Agradecemos nossa existência a uma força e a um amor que tudo abrange. Um amor que nos incandesce já desde eternidades, nos ilumina e soergue! Ele encerra em si o reino celestial! Por isso também jaz no amor a maior força curativa que conhecemos!”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas

Leia Mais