Aprendendo com uma pequena aranha

Junho 11, 2012


Daniela Schmitz Wortmeyer


A pequena aranha tece, com zelo de artesã, ponto por ponto sua teia. Lança os fios translúcidos de um extremo a outro, trabalhando por horas e horas até obter um magnífico resultado. Sob a luz do sol, vislumbra-se a perfeição da obra desse minúsculo ser. Mas eis que virá o vento, a chuva ou um passante desatento, para pôr fim à completude da obra, destruindo a teia. Como reagirá, então, a aranha? Imagino que, após um tempo encolhida num canto esperando cessar a ameaça, ela reiniciará seu trabalho, reconstruindo sua teia, quantas vezes for necessário. Pois essa é a sua natureza, o seu papel no Universo, a despeito de todas as forças contrárias que possam existir.

Tenho muito a aprender observando a Natureza. Às vezes percebo que estamos cada vez mais escravos de uma mente limitada, que busca explicação racional para tudo, querendo enxergar começo-meio-e-fim em todas as coisas - como se só assim houvesse um real sentido. Nada mais acontece seguindo o fluxo natural da vida: é preciso haver resultados, previsíveis e mensuráveis, para “valer a pena” o investimento. No trabalho, nos relacionamentos, nos estudos e até mesmo nos momentos de lazer... E, no entanto, o sentimento de frustração tem crescido, em todas as esferas da existência, deixando um gosto amargo de fracasso e desilusão.

O antiquíssimo livro hindu Bhagavad-Gîtâ retrata o diálogo entre Krishna e o arqueiro Arjuna, que hesita em empreender um importante combate pelo domínio da cidade de Hastinapura. O enredo, repleto de simbolismos, pode ser associado à luta do ser humano em desenvolvimento pelo domínio de sua própria alma, à procura da conexão com o Eu real. Krishna atua como auxiliador e conselheiro, indicando ao aflito Arjuna o caminho a seguir, como nesta passagem: “Seja, pois, o motivo das tuas ações e dos teus pensamentos sempre o cumprimento do dever, e faze as tuas obras sem procurares recompensa, sem te preocupares com o teu sucesso ou insucesso, com o teu ganho ou o teu prejuízo pessoal. Não caias, porém, em ociosidade e inação, como acontece facilmente aos que perderam a ilusão de esperar uma recompensa das suas ações.”

Krishna assinala ainda as consequências de se depositar demasiada expectativa nas próprias ações: “Por muito importante que seja a tua reta ação, o primeiro lugar pertence sempre ao reto pensamento. Procura, portanto, o teu refúgio na paz e na calma do reto pensar, ó Arjuna: porque aqueles que baseiam o seu bem-estar só nas ações, com estas necessariamente perdem a felicidade e a paz, e caem na miséria e no descontentamento.”

Diante desses sábios ensinamentos, pergunto-me se não costumamos depositar o sentido da existência nos lugares errados. Consideremos que Arjuna foi aconselhado a cumprir seu dever independentemente de obter sucesso ou insucesso com isso, assim como fazia a aranha descrita no início do texto.

O dever de nossa personagem aracnídea, naturalmente, é cumprir o papel de aranha, construindo sua teia a despeito das vicissitudes encontradas ao longo da obra. Pois seu atuar de aranha possui uma finalidade que transcende resultados imediatos, contribuindo para o equilíbrio do ecossistema global. No livro Os Primeiros Seres Humanos, a escritora Roselis von Sass destaca que: “Cada animal, até mesmo o ínfimo inseto, tem sua razão de ser no mundo! Todos eles contribuem, com sua espécie, para que o equilíbrio na natureza nunca seja perturbado!”

Mas, se é relativamente evidente a finalidade da existência de plantas ou animais, o mesmo não se verifica em relação ao ser humano... Qual seria a verdadeira finalidade da existência humana? Qual “dever” teria o ser humano a cumprir a fim de alcançar a paz interior, ainda que não encontre recompensas imediatas por suas ações? Onde focalizar os pensamentos, para não cair ante os obstáculos inevitáveis à satisfação ilimitada dos desejos?

Apesar de todo o avanço científico e tecnológico, creio que homens e mulheres ainda não descobriram seu singular papel no equilíbrio universal. Vivemos em frenética busca de algo que nunca é alcançado, na tentativa de preencher nosso indecifrável vazio por meio de pessoas, objetos, realizações... A frustração cedo ou tarde logicamente ocorrerá, pois nos fixamos em elementos mutáveis, transitórios, impermanentes.

No mundo atual, não é óbvia a resposta à questão: haveria valores permanentes? Seria possível embasar a existência em uma dimensão ideal, que conduza o ser humano à transcendência? Para o escritor Abdruschin, na obra Na Luz da Verdade: “É dever sagrado do espírito humano pesquisar por que se encontra na Terra, ou por que motivo vive nesta Criação, à qual se encontra ligado por milhares de fios. Nenhum ser humano se tem em conta de tão insignificante, para crer que sua existência fosse sem finalidade, se ele mesmo assim não a tornasse.”

Para além de fórmulas e dogmas, penso que a tarefa de encontrar o sentido de sua existência cabe a cada ser humano individualmente: uma jornada de autoconhecimento, à procura de fios que sejam significativos para tecer a obra de sua vida. Que se conectem a uma realização profunda, inalcançável por tempestades e passantes desatentos.


“Cada ser age em conformidade com a sua natureza; também o sábio procura o que se harmoniza com a sua própria natureza, de acordo com aquilo que é o mais alto no seu caráter.”

(Bhagavad-Gîtâ)



Leia Também

Sabedoria e diligência

Agosto 15, 2019

 

"'O papiro e a abelha… Ambos são dignos de serem usados. Significam: ‘Sabedoria e diligência'.”

Roselis von Sass, Sabá - o País das Mil Fragrâncias

Leia Mais
Mitologia dos povos

Agosto 14, 2019

Mitologia
Leia Mais
Forças da natureza

Agosto 13, 2019

Leia Mais

Cadastre-se