Rumo ao Brasil

abril 23, 2020

Pássaro branco voando


“A pergunta ‘para onde?’ não ficou muito tempo sem resposta, pelo menos para uma parte deles. Dois geólogos lembraram-se de repente da maravilhosa paisagem banhada por rios, a qual tinham chegado a conhecer por ocasião da construção de uma estrada, não fazia muito tempo. Ambos descreveram a região, denominada por eles ‘terra sem limites’, com cores tão brilhantes, que um grupo logo se decidiu a viajar para lá.

Entre os ouvintes encontravam-se alguns engenheiros e o arquiteto real Huascar, de Cuzco. Huascar ouvira com interesse os dois geólogos. Eles e outros já desde algum tempo procuravam uma região afastada, a fim de construir uma nova cidade dos reis; de certo modo como refúgio. (...)

A única preciosidade, além dos copos de ouro e de prata, guardados no fundo dos bolsos dos ponchos, estava com o arquiteto Huascar. Era uma bengala de ouro, de mais ou menos meio metro de comprimento, em cuja ponta estava afixada uma pontuda lâmina de ouro. Essa bengala era chamada ‘flecha do sol’, pois segundo uma antiga lenda, Inti, o rei do Sol, havia indicado aos incas com uma flecha similar o lugar de sua capital ‘Cuzco’. Inti lançara a flecha. No local onde se fixou na terra, deveria ser iniciada a construção da cidade…

Cantando e bem-humorados, os viajantes seguiam o seu caminho. E era um caminho longo. Passava por montanhas e vales úmidos, atravessava riachos e rios. Contudo, quem caminhasse pelas estradas dos incas, sempre chegava ao seu destino.

Num meio-dia – ninguém havia contado os dias que já estavam em viagem – a caravana alcançou o alvo indicado pelos geólogos. Era o ‘rio das aves brancas’! 

O rio das aves brancas! Era o Araguaia, no Estado de Goiás de hoje.”

Roselis von Sass, Revelações Inéditas da História do Brasil

Leia o livrete  

Crédito da foto: Waldemar Manfred Seehagen



Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais