Lembranças das águas

Outubro 18, 2017

Imagem de concha com pérolas

 

Sibélia Zanon

 

Nem tudo o que existe a gente vê e nem por isso as coisas deixam de existir!

 

Era uma vez… Ao escutar a expressão somos levados para um passeio pelas paisagens da memória. Não a memória que habita a mente. Mas uma memória mais profunda, memória gravada na pele, no coração... Era uma vez pode suscitar “ternura saudosa para uns, felicidade melancólica, ou também silenciosos desejos irrealizáveis”, escreve Abdruschin.

Quais memórias gostaríamos de resgatar para o presente?

No livro Nina e a música do mar – Sereias, a menina pergunta: “Vovó, já experimentei água salgada e já vi um peixe, mas… onde estão as sereias?” O questionamento faz lembrar que, num tempo muito distante, os povos antigos tinham intimidade com a natureza, e as sereias não eram reminiscências de outras eras, mas elemento presente nas relações de gratidão e respeito que um povo construía com as suas águas.

A escritora Roselis von Sass conta em seus livros que as sereias, também chamadas de Ai-aras, Ondinas, Iaras, Mãe d’Água, entre outros nomes nas mais diversas culturas, são conhecidas por suas melodias encantadoras. Muitas vezes, suas músicas são dirigidas aos peixes, como expressão de estímulo e alegria ou ainda como advertência. O encantamento que a água e seus seres causavam nos povos antigos fazia com que fosse celebrada regularmente a festa da água.

 

“Cada ano celebravam-se várias festas em honra dos entes da natureza. No dia da ‘festa da água’, ofereciam-se presentes às ai-aras. Esses presentes consistiam em um óleo de aroma forte – extraído de madeiras e de flores aromáticas – e em colares de grãos coloridos de sementes.
O óleo espalhado nas águas onde moravam ondinas permanecia flutuando durante algum tempo na superfície. Durante esse tempo, a fragrância penetrava a pesada matéria terrenal, espalhando-se sobre a água onde moravam as ondinas. As ondinas alegravam-se com o perfume, aspirando-o profundamente como uma saudação do reino da terra…”

 

Os mares, rios e lagos têm música. A música das águas é também a música de seus inúmeros habitantes, visíveis e invisíveis. E se hoje fosse possível resgatar a intimidade com a riqueza da natureza, a gratidão pela abundância das águas e de seus habitantes, será que poderíamos voltar a escutar as diversas músicas das águas?

Era uma vez…

 

“No dia seguinte, Nina e Cabelinho acordaram bem cedo porque a primeira vez das coisas só acontece uma vez. Construíram obras de arte na areia. Sonharam com estrelas.”

Sibélia Zanon, Nina e a música do mar - Sereias



Leia Também

Saber antigo

Setembro 12, 2019

O Livro do Juízo Final, de Roselis von Sass

 

"Os sumerianos não denominavam os grandes enteais de deuses, mas de “senhores da natureza”. Os pequenos enteais recebiam nomes especiais."

Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final 
Leia Mais
Liberdade do Brasil

Setembro 10, 2019

Leopoldina - Uma vida pela Independência

 

"Quando Leopoldina viu que os visitantes aguardavam uma resposta, sem mais demora disse que outro não era o ideal de dom Pedro e dela também, senão a grandeza e a liberdade do Brasil.”

 

Roselis von Sass, Leopoldina - Uma vida pela Independência 

Leia Mais
Pureza e Amor

Setembro 05, 2019

Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal

 

“E onde existir a verdadeira pureza, poderá surgir também o verdadeiro amor, pois o amor de Deus atua na irradiação da pureza. A irradiação da pureza é o seu caminho, por onde ele segue. Não seria capaz de seguir por outro.”

 

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Leia Mais

Cadastre-se