De Olho no Mundo Animal

junho 30, 2020

Imagem de coruja voando de frente


O comportamento pouco usual dos animais frente ao perigo muitas vezes chama a atenção de biólogos e cientistas. Em determinadas catástrofes naturais, foi muito observada a reação antecipada dos animais mediante o perigo. 

Certa vez, num tsunami que devastou a Ásia, funcionários de um parque nacional situado no Sri Lanka ficaram surpresos em não encontrar nenhum animal morto, enquanto tantas pessoas sucumbiram na mesma região. 

O biólogo e filósofo da natureza Rupert Sheldrake, estudando e questionando fenômenos do mundo animal, diz sobre premonição de catástrofes: 

“Existem inúmeras histórias sobre animais de estimação que tentam advertir seus donos dos perigos de uma viagem que, de fato, acaba se revelando fatal. Mais impressionante é o comportamento deles antes de terremotos”. 

Sheldrake lembra que, antes do terremoto de 1960, que matou 15 mil pessoas no Marrocos, animais foram vistos correndo para longe da região. Muitos animais parecem também ter fugido antes do abalo que atingiu a Iugoslávia, três anos mais tarde. O biólogo ainda cita que animais abandonaram a região de Tashkent, na Rússia, pouco antes do terremoto de 1966. 

Mas o que seria então este instinto especialmente desenvolvido ou o também frequentemente mencionado “sexto sentido”, e por que os seres humanos não aprenderam com os casos relatados, dando mais atenção ao mundo animal? 

Com a decrescente ligação do ser humano com a natureza no decorrer dos tempos, este elo de confiança com o mundo da natureza, incluindo os animais, foi aos poucos diminuindo. Com esse afastamento, muito se perdeu. De espécie diversa e com a sintonia nos elementos da natureza, os animais têm sensibilidade maior para captar sinais que o ser humano não pode mais perceber. E isso faz, em muitos casos, com que os animais se manifestem de forma surpreendente. 

“...o ser humano devia observar mais os animais, a fim de aprender a compreendê-los. O animal tornar-se-á então realmente amigo da criatura humana, pois consegue preencher lacunas e com isso tornar-se ainda muito mais útil ao ser humano do que até agora”, diz o escritor alemão Abdruschin em Na Luz da Verdade.



Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais