Renovar conceitos é viver

Novembro 07, 2019

Renovar conceitos é viver

 

 O céu é azul. Mas outro dia olhei para cima e não vi azul, nem azulado, nem anil, nem marinho. Vi cinza, vi branco, enxerguei rosas e amarelos. Nasci sabendo que o céu é azul e nunca lembrei de confirmar com os olhos. Intrigante essa capacidade de acolher realidades e conceitos “emprestados”, acordar e dormir com eles dias inteiros, sem notá-los como escolha.
 
Parece que este quadro foi crescendo no mundo, na mesma medida em que a quantidade de tempo parece ir se esvaindo de nosso cotidiano. Temos pouco tempo para realizar muitas atividades, pouco tempo para assimilar muitas informações, pouco tempo para analisar as realidades que nos são apresentadas. Paralelamente, nos falta também confiar no poder de nosso senso crítico e na possibilidade de sermos mais príncipe que sapo, mais singular do que plural.

Com a dificuldade de se lidar com o tempo em um mundo de excessivas ofertas e necessidades imaginárias e reais, acabamos muitas vezes lendo o mundo através das lentes e filtros de outras pessoas. Abraçamos causas porque dizem que são boas. Aceitamos conceitos porque confiamos na imagem de quem os emitiu. Passamos a olhar para quem diz, sem ouvir com a devida atenção o que é dito.

Aceitar o mundo segundo a lente alheia, sem muita análise, pode ser um veneno que mata a personalidade, a iniciativa e, em parte, a riqueza da diversidade de visões. Esperar que o senso comum aceite um novo conceito para depois assimilá-lo, pode retardar o desenvolvimento. Ao mesmo tempo, aceitar algo apenas porque o senso comum o indica pode ser muito perigoso. “Jamais o ser humano deve esquecer-se de que ele, completamente só, terá de responder por tudo aquilo que ele intui, pensa e faz, mesmo que o tenha aceito de outrem de modo incondicional!”, afirma o escritor alemão Abdruschin em Na Luz da Verdade, vol. 2.

A quantidade de palavras que ouvimos e falamos em um dia também contribui para a crescente falta de análise. Ficamos, de certa forma, anestesiados quanto ao que escutamos ou lemos. A palavra vai, aos poucos, sendo banalizada. Com isso, podemos perder conteúdos importantes que estão bem ao lado, enquanto estamos fechados em nosso mundo. Ficamos um tanto céticos ou procuramos o inalcançável, conhecimentos distantes, sabedoria indicada pelo senso comum ou o máximo possível de informações para demonstrar grande intelectualidade.

Mas o saber não se reduz à informação. “A superstição patética que predomina é que, conhecendo um número cada vez maior de fatos, chega-se a um conhecimento da realidade”, diz Erich Fromm. Ele avalia que pouco sobra de tempo e energia para pensar e conclui: “Sem dúvida, raciocinar sem conhecimento dos fatos seria inútil e ilusório; somente as informações, porém, podem ser um obstáculo tão grande ao raciocínio quanto sua ausência”. Assim parece que a abundância também pode ter sua faceta de miséria.

Estar fechado para ideias inovadoras, apoiando-se em conceitos já sedimentados, também é um aspecto da falta de análise. Mas não é exclusivo da época atual. Em todas as épocas, mesmo ao lado de sábios, existiram “surdos”. Mesmo entre os discípulos que quiseram seguir Jesus existiram os que não deram crédito às suas palavras. Além da falta de tempo precisamos, então, tomar cuidado com o assédio da falta de abertura, da inflexibilidade, da falta de análise crítica e de preconceitos, que fecham espaço para conceitos originais.

Despir-se do antigo para deixar o novo entrar é um processo dolorido, que gera insegurança. Mas se não nos transformamos em grandes pioneiros da reflexão e análise crítica, podemos passar a vida atolados ou patinando em conceitos inverídicos. E pode não haver “golpe da vida” ou “lentes da verdade” que nos façam questionar, refletir ou enxergar outros ângulos.

Neste sentido, precisamos fazer uma escolha e não deixar, por exemplo, que as tristezas e os problemas que a vida traz, como maremoto e vendaval, sirvam apenas como motivo de depressão. Mas podemos usar a mesma dificuldade a nosso favor, analisando o porquê da vida, o porquê dos acontecimentos, o porquê dos movimentos de ida e volta que a vida propicia, imitando o mar.

A capacidade própria de analisar e de ser autêntico também merecem grande confiança, e o direito de dizer “eu não sei” deve ser praticado sem constrangimento. Não há quem consiga ser competente em todas as áreas. Mas cada pessoa é única e também isso ninguém consegue alterar.

À medida que são reavaliados, conceitos “emprestados” ou sedimentados podem perder ou ganhar valor. Assim se torna possível a reconstrução, e os maremotos podem se transformar em dias de sol, e o céu pode estar azul, mas também rosa ou branco. O importante é não esquecer de olhar para cima.

Texto revisado, publicado no periódico Literatura do Graal, número 12.



Leia Também

Olhar ao redor

Novembro 21, 2019

Postal "Olhar ao redor" - Texto do Vaga-Lume


Cassandra, a filha dos reis troianos Príamo e Hécuba, alertava constantemente sobre o destino que se aproximava de seu povo.

Em outros povos como o de Atlântida, druidas convocavam reuniões e viajavam até as mais afastadas regiões para informar o povo sobre a exortação do sábio Gurnemanz, de que o país deveria ser deixado nos dez anos seguintes.

Quanto das profecias e exortações reverberaram entre os povos daquelas épocas? Os alertas foram escutados? E se observarmos a época atual, o que nos chama atenção?

Leia Mais
Impulso

Novembro 19, 2019

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Época atual

Novembro 14, 2019

O Dia Sem Amanhã - Roberto C. P. Junior
 
“Felício não disse nada. Ficou olhando para Donato, com um ar vago. De repente, tornou-se-lhe claro a imensa gravidade da época em que ele, em que todos ali, estavam vivendo. O tempo atual, a última fase do Juízo..."

Roberto C. P. Junior, O Dia sem Amanhã
Leia Mais