Que histórias nos contam as janelas?

julho 16, 2013


Sibélia Zanon

Ainda outro dia uma colega disse que da janela do seu apartamento via constantemente a senhora que morava no prédio em frente. Mesmo quando acordava muito cedo, podia ver a vizinha na cozinha, preparando o café. Era uma companhia, silenciosa e distante, mas ainda assim um manifesto de humanidade, uma prova de que as coisas continuavam no mesmo lugar. De repente, as luzes se apagaram e a solidão abocanhou a rotina. A vizinha se mudou? A janela voltava a ser aberta para o anonimato.

As janelas abrem espaço para a troca em um mundo momentaneamente dividido em dois: o lado de dentro e o lado de fora. E cada janela conta uma história diferente.

No castelo de Versailles, França, o fotógrafo coreano Ahae expõe (de 25 de junho a 9 de setembro) as imagens que captura da sua janela. A exposição “Janela para o Extraordinário” parece narrar o passar do tempo por meio de paisagens, que se traduzem em um tributo à indescritível beleza e majestade de uma natureza que não descansa.


Além dos poetas das imagens, há os poetas das palavras que também não perdem a oportunidade de olhar pela janela. No poema Tabacaria, Fernando Pessoa faz uma reflexão densa sobre seu tempo e “seu eu” partindo do que vê pela janela de seu quarto.

Já Cecília Meireles vê pela janela uma cidade que parece ser feita de giz em A arte de ser feliz:
“Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
 Outras vezes encontro nuvens espessas. 
Avisto crianças que vão para a escola.
 Pardais que pulam pelo muro.
 Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
 Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar. 
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.


Às vezes, um galo canta. 
Às vezes, um avião passa.
 Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
 E eu me sinto completamente feliz.


Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
 que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem, 
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros, 
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.”
Aprender a olhar é uma lição que exige boa vontade e persistência porque seguiremos com ela até o fim da vida. É preciso aprender porque desaprendemos, ao longo do tempo, a acolher as belezas das pequenas coisas, a interpretar o que vemos com abrangência, a apreciar e, por fim, a entender a simplicidade grandiosa da vida.

Mas aprender a olhar não significa que existe um único jeito de enxergar, ainda que a realidade permaneça única.
 “Tomemos novamente duas pessoas como exemplo. É-lhes mostrado na infância uma cor e explicado que se trata da cor azul. Cada uma dessas pessoas considera sempre, por consequência, essa bem determinada cor, vista por ela, como sendo azul. Mas com isso não fica provado que ambas vejamessa determinada cor da mesma maneira!Acontece o contrário. Cada pessoa vê em verdade essa cor, por ela chamada azul, de modo diferente da outra pessoa. Também já aqui, no corpo de matéria grosseira!

Se examinardes os olhos de matéria grosseira e considerardes que eles são exatamente iguais em sua estrutura, então verificareis que essa estrutura igual não é decisiva para a determinação da maneira de ver as cores. Para isso influi também o cérebro e, além dele, como fator básico, a maneira pessoal do próprio espírito humano!”

   Cada pessoa, construída a seu modo, por suas escolhas e experiências únicas vai moldando também seu jeito de experimentar o mundo, apreendendo de um jeito único aquilo que vê e vive. Talvez se tivéssemos isso sempre em mente teríamos mais facilidade em conviver com o outro e seríamos mais generosos ou acolhedores em relação às suas percepções, às vezes, tão diferentes das nossas.

Janelas são símbolo de receptividade e da entrada de ar e de luz. A percepção que temos sobre o que acontece do lado de fora da janela diz muito sobre quem somos nós, do lado de dentro.



Fotos: Diana Schuler



Leia Também

Auxílio do Saber

janeiro 16, 2020

Imagem do texto "Auxílio do saber" - Livro "Fios do Destino Determinam a Vida Humana" de Roselis von Sass


“Como auxílio, na atual transformação para uma nova era, foi-nos dado, com 
simplicidade e grandeza, um saber referente a todas as leis da Criação e ao sentido e finalidade de nossa vida, bem como a respeito de todas as conexões da existência humana."

Roselis von Sass, Fios do Destino Determinam a Vida Humana

Leia Mais
Preparativos

janeiro 14, 2020

Imagem do texto "Preparativos" - "O Nascimento da Terra" de Roselis von Sass


“De uma coisa, subitamente, me conscientizei: de que cada modificação da Terra, 
seja na água ou no solo, até mesmo tudo o que foi plantado e depois desapareceu em virtude de uma transformação terrestre, inclusive os animais, que não podiam sempre ser os mesmos, e muitas outras coisas mais, das quais agora não me recordo, consistia apenas em preparativos para a vinda dos espíritos humanos a este planeta.”

Roselis von Sass, O Nascimento da Terra

Leia Mais
Alegria

janeiro 09, 2020

Imagem do texto "Alegria" - Livro "Atlântida Princípio e Fim da Grande Tragédia", de Roselis von Sass


“Todo o brilho do ser humano tem sua origem em seu espírito puro. Todos os entes da natureza, também os animais e plantas, são atraídos por esse brilho, sentindo seu efeito benéfico… Em compensação eles nos oferecem uma dádiva preciosa. É a alegria!”

Roselis von Sass, Atlântida Princípio e Fim da Grande Tragédia

Leia Mais