Pensamentos de chuva

outubro 13, 2016

Sibélia Zanon


“Gosto de dirigir em dias de chuva”, disse uma vez um amigo, ao contar que não tem tempo de parar para ficar olhando a chuva e, por isso, aproveita para admirá-la quando precisa dirigir nos dias chuvosos.

O ponto de vista curioso 
e original dele me fez pensar 
na minha relação com a chuva. Lembrei-me de uma tarde de verão, em que meu marido e eu fomos surpreendidos por um temporal no quintal de casa e corremos para o terraço. Ficamos ali abrigados, olhando o espetáculo da chuva como quem assiste a uma peça teatral.

Sentindo o vento forte, ele comentou que os pássaros respeitam a chuva e foi aí que fomos acometidos por uma porção de curiosidades de criança: “Qual seria o ponto de vista do pássaro sobre a chuva? Onde os pássaros se escondem? Eles têm suas casas protegidas nas árvores, mas há árvores que balançam tanto com a chuva...” A natureza pinica perguntas na nossa cabeça, assim como as gotas fortes de chuva fazem na nossa pele.

Os pássaros respeitam o vento e a chuva. Se o temporal vai ser forte, eles percebem antes de qualquer humano e partem para um local seguro.

Eles respeitam a natureza, entendendo que há coisas mais fortes do que suas asas. E nós? Sabemos nos curvar à chuva? À natureza? Ao que a vida nos traz ou nos propõe? Ou insistimos em voar, estabanados, correndo riscos, asas molhadas e empurradas pelo vento? Destemidos ou desrespeitosos?

Naquela tarde, quando a chuva decidiu ficar mansa, o mundo ao redor foi mudando. A voz do trovão se calou e os pássaros recuperaram a melodia, como se uma felicidade esquecida desabrochasse. Uma alegria pelo poder das asas, que ganhavam leveza de novo, uma alegria pelo frescor das plantas que abrigavam água de beber. As bromélias eram um cálice e as poças d’água uma banheira.


Talvez a vida pudesse ter mais desse frescor se aprendêssemos com os pássaros o respeito pela chuva e por tantas outras forças da natureza. Eles continuam com o poder do voo porque sabem aguardar a hora de voar, sabem recuar, sabem dialogar com outras forças. E nós? Como estamos dialogando com a chuva?



“Eu queria usar palavras de ave para escrever.”

Manoel de Barros



Leia Também

Caminhos diversos

abril 15, 2021

Foto de trecho, aberto, de floresta com intersecção de caminhos cruzados em formato de ípsilon em destinos indefinitos.
“Há longos tempos passados, Sarabeth e Amisaduk estiveram unidos em verdadeiro amor. Desde então, ambos já estiveram várias vezes na Terra. Essas vidas terrenas foram benéficas para Sarabeth, pois ela havia se desenvolvido em sentido certo. Por esse motivo, ela nunca perdera a ligação com as forças luminosas. Para Amisaduk, porém, as duas últimas vidas terrenas tornaram-se fatais. Ele deixou-se desencaminhar para trilhas erradas, das quais não mais encontrou a volta. Isso separou esses dois seres humanos. E permaneceram também separados…"

Roselis von Sass, Sabá, o País das Mil Fragrâncias
Leia Mais
Constantes transformações

abril 13, 2021

galho de árvore com neve

Supomos que algum dia, no lugar do deserto do Saara, surja um mar, pois já agora se encontra no fundo, debaixo da areia, uma grande extensão de água. Um astro como a Terra está sujeito a constantes transformações. E isso é absolutamente necessário."


Roselis von Sass, O Nascimento da Terra

Leia Mais
Doadores

abril 08, 2021

Mão estendida para amparar

“Temos de nos mostrar dignos de nossa condição humana! Devemos nos movimentar e trabalhar, criando um mundo no meio do reino da natureza, um mundo de beleza e harmonia! Atuando assim, então não seremos somente os que recebem, mas também os doadores!”

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais