Pensamentos de chuva

outubro 13, 2016

Sibélia Zanon


“Gosto de dirigir em dias de chuva”, disse uma vez um amigo, ao contar que não tem tempo de parar para ficar olhando a chuva e, por isso, aproveita para admirá-la quando precisa dirigir nos dias chuvosos.

O ponto de vista curioso 
e original dele me fez pensar 
na minha relação com a chuva. Lembrei-me de uma tarde de verão, em que meu marido e eu fomos surpreendidos por um temporal no quintal de casa e corremos para o terraço. Ficamos ali abrigados, olhando o espetáculo da chuva como quem assiste a uma peça teatral.

Sentindo o vento forte, ele comentou que os pássaros respeitam a chuva e foi aí que fomos acometidos por uma porção de curiosidades de criança: “Qual seria o ponto de vista do pássaro sobre a chuva? Onde os pássaros se escondem? Eles têm suas casas protegidas nas árvores, mas há árvores que balançam tanto com a chuva...” A natureza pinica perguntas na nossa cabeça, assim como as gotas fortes de chuva fazem na nossa pele.

Os pássaros respeitam o vento e a chuva. Se o temporal vai ser forte, eles percebem antes de qualquer humano e partem para um local seguro.

Eles respeitam a natureza, entendendo que há coisas mais fortes do que suas asas. E nós? Sabemos nos curvar à chuva? À natureza? Ao que a vida nos traz ou nos propõe? Ou insistimos em voar, estabanados, correndo riscos, asas molhadas e empurradas pelo vento? Destemidos ou desrespeitosos?

Naquela tarde, quando a chuva decidiu ficar mansa, o mundo ao redor foi mudando. A voz do trovão se calou e os pássaros recuperaram a melodia, como se uma felicidade esquecida desabrochasse. Uma alegria pelo poder das asas, que ganhavam leveza de novo, uma alegria pelo frescor das plantas que abrigavam água de beber. As bromélias eram um cálice e as poças d’água uma banheira.


Talvez a vida pudesse ter mais desse frescor se aprendêssemos com os pássaros o respeito pela chuva e por tantas outras forças da natureza. Eles continuam com o poder do voo porque sabem aguardar a hora de voar, sabem recuar, sabem dialogar com outras forças. E nós? Como estamos dialogando com a chuva?



“Eu queria usar palavras de ave para escrever.”

Manoel de Barros



Leia Também

Profecia em pedra

junho 02, 2020

Foto da grande Esfinge do Egito com fundo de céu estrelado e vista do contorno da borda da via láctea.

“O astrônomo Horam, que até então estivera calado ao lado de Sargon, começou a falar.

— A pirâmide será uma profecia em pedra. Nela serão marcados o início e o fim do Juízo, bem como as datas de todos os acontecimentos importantes prestes a acontecer através do destino dos seres humanos."

Roselis von Sass, A Grande Pirâmide Revela seu Segredo
Leia Mais
Reconhecimento

maio 30, 2020

vista de horizonte ao fim de tarde, com céu rajado de cores, em espelhamento em lago raso ressaltando a vegetação aquática.

“Quer digas: Submeto-me voluntariamente às leis vigentes da natureza, porque elas são em meu benefício, ou quer digas: Submeto-me à vontade de Deus, que se revela nas leis da natureza ou na força inconcebível que impulsiona as leis da natureza... ocorre alguma diferença na atuação delas? A força aí está e tu a reconheces,
tensde reconhecê-la, sim, já que não te resta alternativa, tão logo reflitas um pouco... e com isso reconheces teu Deus, o Criador!”

Abdruschin, Na Luz da Verdade, Mensagem do Graal
Leia Mais
Subir cada vez mais

maio 28, 2020

“Pertenceis a esta Criação como uma parte dela, deveis, por conseguinte, vibrar com ela, atuar nela, amadurecer aprendendo dela, e assim, colhendo reconhecimentos, subir cada vez mais, dum degrau para outro, seguindo na irradiação, a fim de enobrecer tudo aquilo que entre em contato convosco no vosso caminho.” 
Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais