Peito preenchido

abril 26, 2022

Ilustração de baleia soltando jato de água

“Alaparos ainda recolheu algumas flores que haviam caído no chão, cheirando-as.

— O aroma das flores purifica os órgãos de respiração e dissolve as névoas do cérebro.” 

Roselis von Sass, A Desconhecida Babilônia

Há vezes em que nos sentimos va­zios, mesmo estando repletos. Tenho pensado nisso depois de descobrir que a falta de ar não significa exatamente a dificuldade em preencher o peito. Mas, em primeiro lugar, a dificuldade em esvaziá-lo. 

O ar preso, retido do lado de dentro, já não tem a qualidade do frescor, não consegue mais prestar seu serviço de renovação. A pessoa que tem o ar confinado não consegue também participar do ciclo completo da respiração: sorver o ar, transformá-lo e devolvê-lo.

A devolução pode ser percebida como uma forma de doação. O dióxido de carbono da nossa expiração é absorvido pelas plantas, beneficiando-as e convocando-as a purificar o início de um novo ciclo. 

Para sentir-se pleno de ar é preciso saber-se vazio.

Essa imagem me pareceu emblemática para tantas outras situações. A ausência de frescor em muitas circunstâncias da vida pode denunciar a falta de fluxo, de movimento, de troca com o mundo exterior. A falta de ir e vir.

A dificuldade em sentir gratidão, por exemplo, pode denotar a incapacidade de perceber os presentes que se recebe. Sem notar que o interior está repleto, guardamos tudo dentro e não conseguimos transbordar benefícios para o universo. Ficamos cheios e infelizes.

Também as ideias ou conceitos que se fazem pedra no nosso interior, sem que consigamos pensar sob outros ângulos ou ter alguma flexibilidade na forma de olhar, podem refletir a incapacidade de circulação de pontos de vista que tragam novos discernimentos. Sempre as mesmas ideias fixas enrijecendo a forma de julgar.

Quando nos sentimos vazios, pode ser que esteja acontecendo exatamente o contrário. Será que podemos aprender a expirar, a nos esvaziar daquilo que não mais nos serve para ga­nhar novo fôlego, espaço, ar?

Leia na íntegra a edição de O Vaga-Lume com este texto



Leia Também

Percepção do Tempo

dezembro 03, 2022

Tons dourados de luz natural sob destaque de detalhes em plantação de trigo.

É a vivência do ser humano que se intensifica a partir de certa idade, e não o tempo. O tempo não muda. Os movimentos dos ponteiros do relógio apenas registram numericamente nossa passagem dentro do tempo aqui na Terra. O tempo não passa, nós é que passamos dentro dele.”

Roberto C. P. Junior, Jesus Ensina as leis da Criação
Leia Mais
Intuir na oração

novembro 29, 2022

Galhos com gotas de orvalho brilhando na luz do sol

“Na alegria ou na aflição é sempre muito mais valioso um intuir ardente, sem palavras, do que mil orações verbais, mesmo que esse intuir dure apenas uma partícula de segundo.”

Abdruschin, Os Dez Mandamentos de Deus e o Pai Nosso
Leia Mais
Girar junto

novembro 26, 2022

Ilustração de moça em cima de cavalo


Quero me ajustar aos ventos que botam folhas, cabelos e crinas a voar pelo espaço – sem dor, sem resistência, feito música. 

Leia Mais