Peito preenchido

abril 26, 2022

Ilustração de baleia soltando jato de água

“Alaparos ainda recolheu algumas flores que haviam caído no chão, cheirando-as.

— O aroma das flores purifica os órgãos de respiração e dissolve as névoas do cérebro.” 

Roselis von Sass, A Desconhecida Babilônia

Há vezes em que nos sentimos va­zios, mesmo estando repletos. Tenho pensado nisso depois de descobrir que a falta de ar não significa exatamente a dificuldade em preencher o peito. Mas, em primeiro lugar, a dificuldade em esvaziá-lo. 

O ar preso, retido do lado de dentro, já não tem a qualidade do frescor, não consegue mais prestar seu serviço de renovação. A pessoa que tem o ar confinado não consegue também participar do ciclo completo da respiração: sorver o ar, transformá-lo e devolvê-lo.

A devolução pode ser percebida como uma forma de doação. O dióxido de carbono da nossa expiração é absorvido pelas plantas, beneficiando-as e convocando-as a purificar o início de um novo ciclo. 

Para sentir-se pleno de ar é preciso saber-se vazio.

Essa imagem me pareceu emblemática para tantas outras situações. A ausência de frescor em muitas circunstâncias da vida pode denunciar a falta de fluxo, de movimento, de troca com o mundo exterior. A falta de ir e vir.

A dificuldade em sentir gratidão, por exemplo, pode denotar a incapacidade de perceber os presentes que se recebe. Sem notar que o interior está repleto, guardamos tudo dentro e não conseguimos transbordar benefícios para o universo. Ficamos cheios e infelizes.

Também as ideias ou conceitos que se fazem pedra no nosso interior, sem que consigamos pensar sob outros ângulos ou ter alguma flexibilidade na forma de olhar, podem refletir a incapacidade de circulação de pontos de vista que tragam novos discernimentos. Sempre as mesmas ideias fixas enrijecendo a forma de julgar.

Quando nos sentimos vazios, pode ser que esteja acontecendo exatamente o contrário. Será que podemos aprender a expirar, a nos esvaziar daquilo que não mais nos serve para ga­nhar novo fôlego, espaço, ar?

Leia na íntegra a edição de O Vaga-Lume com este texto



Leia Também

Os guardiões

julho 13, 2024


"
Sempre um de nós acompanha agora as crianças que hoje já estão com mais de dez anos’, explicou Gauê, 'e que, para a sua idade, já enfrentam a vida de modo muito independente. Permanecemos, logicamente, sempre invisíveis. Contudo, as crianças sabem, geralmente quando percorrem longas distâncias, que nós nos encontramos nas proximidades. Todas elas têm pequenas cornetas, com as quais podem nos chamar ao necessitarem de alguma informação.'"

Roselis von Sass, O Nascimento da Terra
Leia Mais
O Amor é um presente

julho 09, 2024

Leia Mais
Degraus

julho 06, 2024


“...as pirâmides das Américas do Sul e Central não possuíam pontas, mas sim grandes plataformas onde eram erigidos templos. Cada degrau representava uma fase do desenvolvimento na vida humana que tinha de ser vivenciada plena e integralmente. A subida, muitas vezes, era penosa. Contudo, sem esforços, jamais se poderia alcançar um elevado alvo espiritual.

Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
Leia Mais