Conviver: exercício de ser

setembro 26, 2017

imagem de laranjas

 

 

Sibélia Zanon

 

Pessoas são inspiradoras. A Ana tem um poder de análise muito apurado e consegue ser profunda e sincera ao emitir uma opinião. O Marcos é descontraído e não exige que tudo dê certo nem seja perfeito numa primeira tentativa. Sempre fico admirada com o jeito aberto e acolhedor que a Flávia demonstra diante de meros desconhecidos. A Carla desenvolveu uma habilidade especial de cultivar as coisas e enriquecer o ambiente, ela embeleza tudo que toca.

A convivência com pessoas nos dá a oportunidade de observar a diversidade. Assim, podemos admirar qualidades, avaliar questões da vida por ângulos inesperados e repensar nossas próprias escolhas. Afinal, sempre há outras formas de agir, qualidades a desenvolver, caminhos inusitados a trilhar.

Além de nos beneficiar com a percepção da diversidade, a convivência pode revelar semelhanças inesperadas, ou ainda indesejadas. Os defeitos que mais nos perturbam no outro, podem ser também aqueles que encontramos ao enfrentar o espelho. Isso porque enxergamos com maior destaque no outro aquilo que também somos. E aí é preciso coragem e humildade para assumir que há trabalho pela frente, que temos melhorias a fazer, que estamos em período de manutenção e reforma.

A verdade é que a convivência nos obriga a afiar nosso próprio discernimento a respeito de muitas questões, daquilo que nos é importante ou não, a respeito de nossas crenças mais profundas e de nossa forma de agir, porque de uma forma ou de outra somos desafiados a isso.

Uma amiga me contou certo dia sobre o martírio dos almoços em família aos domingos, e sobre como naquelas ocasiões sofria críticas veladas por conta de seu estilo de vida e de suas escolhas. As intromissões ou provocações, nem tão discretas assim, fizeram com que ela se tornasse mais confiante e mais forte para manter suas escolhas e fincar algumas estacas de limites. Conviver em família não implica a perda do direito à individualidade.

Mesmo conhecendo bem alguém, ele permanece sendo o outro e precisa ser visto assim. Isso impõe limites, tanto para nossa obsessão por controle, quanto para nossas tendências de projeção. Projetar nas atitudes do outro o nosso próprio perfil, imaginando que ele terá reações iguais às nossas é fazer um convite para a frustração. O outro é, definitivamente, uma surpresa. E é desejável aprender a se surpreender.

O poeta Manoel de Barros diz que não gosta de palavra acostumada. Talvez ninguém goste de convivência acostumada também, aquela que se repete por hábito e não por gosto. Há convivências obrigatórias por certos períodos da vida, como com os colegas de trabalho. Mas, na esfera pessoal, temos mais chance de escolha e, assim, maior oportunidade de convivermos com aquelas pessoas que nos inspiram a ser melhores.

Conviver é um exercício de ser. Podemos colher inspiração no outro, mas a colheita é limitada porque também é preciso doar. E enquanto nos ocupamos em oferecer algo, estamos trabalhando em ter mais consistência. Em vez de esperar que alguém nos torne inteiros, buscamos conquistar nossa própria completude. Na certeza de que não existem metades da mesma laranja, é que desfrutamos de forma mais ampla a convivência. Todos laranja inteira, com a potencialidade para ser fibra, suco e compartilhar doçura.

 



Leia Também

Águas mansas e corredeiras

janeiro 22, 2022

Ilustração de pequeno barco com pessoa remando dentro

Quando pequenos, nós humanos perguntamos incessantemente pelos tantos porquês, passamos por fases em que aprendemos muito em pouco tempo, desenvolvemos novas percepções e visão de mundo. Mais tarde, os questionamentos se deslocam para outros objetos ou lugares, mas continuam sendo potentes gatilhos para o movimento – sempre que permitimos.
Leia Mais
Boa Vontade

janeiro 18, 2022

Lindo por do sol na praia

“Com a persistente boa vontade  
tem de sobrevir o remate de todas as expiações, já que aquele que quer o bem e age nesse sentido não concede novo alimento para novas exigências de expiações.”

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Silenciosamente

janeiro 16, 2022

Foto de entarder na praia, onde a sequencia de ondas, banha e desenha a areia em movimento infinito.

“Retira-te do convívio e procura a solidão. Apenas durante um curto lapso de tempo… Todos os grandes feitos nascem no silêncio…”

Roselis von Sass, África e seus Mistérios
Leia Mais