A dor e a delícia

junho 22, 2018

 

 

Sibélia Zanon

  

Certo dia, ele foi ao supermercado para trocar um produto e estava com pressa. O funcionário disse que não poderia trocar a mercadoria. O gerente confirmou. Ele reclamou seus direitos de consumidor e ameaçou fazer uma reclamação na central. Demorou, mas conseguiu fazer a troca. Estava tudo certo. Mas ele saiu de lá incomodado. Não com o gerente, mas consigo mesmo. Percebeu que havia abusado no tom. Na semana seguinte, foi ao mesmo supermercado. Procurou o gerente. Pediu desculpas. A moça do caixa ficou boquiaberta. O gerente o abraçou.

Colocar-se no lugar do outro é a porta de entrada para a empatia e o remédio certo para equilibrar percepções e ações.

O escritor israelense Amós Oz escreve: “Eu me pergunto: ‘E se eu fosse ele? E se eu fosse ela? O que sentiria, desejaria, temeria e esperaria? Do que teria vergonha, esperando que ninguém mais soubesse?’ Meu trabalho consiste em me pôr no lugar de outras pessoas. Ou mesmo estar em suas peles. A força que me impele é a curiosidade. Eu fui uma criança curiosa. Quase toda criança é curiosa. Mas pouca gente continua a ser curiosa em sua idade adulta e em sua velhice”.

Quais são as dores e as delícias de estar na pele que habitamos? E quais seriam as dores de habitar outras peles?

A pergunta, que pode ser feita muitas vezes ao longo de um único dia, amplia a própria visão de mundo e enriquece a nossa capacidade de vivenciar coisas novas, já que não teremos a oportunidade de viver todas as experiências, mas ao emprestar a dor ou a alegria do outro, podemos covivenciar um acontecimento singular.

 Vivências que impactam o outro, mas reverberam sobre a própria pele podem nos fazer mais humanos, contribuindo para uma reavaliação de postura. Em vez de adotar uma postura demasiadamente crítica, defensiva e condenatória, pode-se escolher uma postura mais humilde, humana e auxiliadora. Assim como as crianças, talvez devêssemos cultivar a curiosidade.

“Dar desinteressadamente, ajudar onde for necessário,  ter compreensão
pelo sofrimento do próximo, bem como por suas fraquezas,
chama-se receber (…).”
Abdruschin, Na Luz da Verdade


Leia Também

Flores da Aurora

outubro 16, 2021

Foto de flores da cor de rosa de vitória regia, em contraste com o verde claro da vegetação.

“Não havia nada que superasse a beleza das flores da aurora, que mais tarde foram chamadas também de jardins suspensos. Com razão foram denominadas uma das maravilhas do mundo.”

Roselis Von Sass, A Desconhecida Babilônia

Leia Mais
A Terceira Mensagem de Fátima

outubro 13, 2021

Gruta

"Seis vezes apareceu a emissária da misericórdia na gruta. Durante esse tempo Lúcia recebia a mensagem que deveria retransmitir aos seres humanos. No dia treze de outubro a senhora apareceu pela última vez. Nesse dia se despediu sorridente das crianças. Quando mais uma vez se dirigiu a Lúcia, disse:
'Nunca tenhas medo dos seres humanos. Transmite exatamente a mensagem que ouviste.'"
 
Roselis von Sass, O Livro do Juízo Final
Leia Mais
Sede como as crianças

outubro 12, 2021

Foto de criança com balões em entardecer ensolarado


“Não é em vão que o grande Mestre exclama: Sede como as crianças! 

Quem possui em si firme vontade para o bem e se esforça por outorgar pureza a seus pensamentos, esse já achou o caminho para o Altíssimo!

Abdruschin, Na Luz da Verdade - Mensagem do Graal

Leia Mais