Colheita do mel

outubro 03, 2019

Abelha Jataí
 
“Com cinco anos de idade as próprias crianças já trançavam as bolsas que carregavam em suas excursões… Além das bolsas e das canecas de ouro para beber, faziam parte de seus equipamentos pequenas faquinhas de ouro com cabos de madeira e pequenos cântaros com gargalo estreito. Eram chamados cântaros de mel. Naquele tempo existiam, naquelas regiões, diversas espécies de abelhas que preparavam um mel quase líquido. Todas essas abelhas não tinham ferrão, de modo que colher mel era muito fácil para as crianças.”
 
Roselis von Sass, A Verdade sobre os Incas
 


Leia Também

Utilidade

setembro 29, 2020

Passarinho segurando um galhinho seco

Abdruschin, Na Luz da Verdade – Mensagem do Graal
Leia Mais
Pingo de gente

setembro 26, 2020

Mão segurando uma pequena flor branca
 
"Pingou, o pingo da chuva, do chuveiro e do choro. A menina da nossa história não sabia explicar o motivo certo da sua dor: existia uma dor de solidão no coração, mas ela disse que a dor era no ouvido. Foi então que alguém pôde secar o seu pingo de tristeza. A menina encontrou uma professora que entendia dessas dores. Ganhou um remédio de mentirinha, foi embalada num abraço e sarou. Grande essa arte de curar dores que os remédios não conhecem, não é mesmo?”

Sibélia Zanon, Espiando pela Fresta
Leia Mais
Alma que chora

setembro 24, 2020

Botão de rosa vermelha na chuva
 
— A alma, Muno, é aquilo que dia e noite chora dentro de ti, porque tu a deixas faminta, e a maltratas. A alma é a melhor porção do nosso ‘eu’, que vem do Alto e não descansa enquanto nós não a reconduzimos outra vez para lá. Se não a tratamos assim, chora, então, nossa alma, como chora, agora, a tua, Muno.”

Buddha, Coleção o Mundo do Graal
Leia Mais