Árvore de Natal

dezembro 23, 2013


Sibélia Zanon


A árvore de Natal é uma tradição que ganha vida em muitas casas, a cada ano. “A árvore de Natal com as velas acesas surgiu somente por volta do ano 1600 na Alemanha. Utilizavam-se pequenos buxos em cujas pontas se colocavam velas. As pequenas árvores de buxos, enfeitadas apenas com velas, significavam simbolicamente que em uma Noite Sagrada viera a Luz para a Terra... Mais tarde se utilizaram de árvores maiores, tipo pinheiro, com a mesma finalidade. Contudo, durante longo tempo as velas continuaram como único enfeite das 'árvores de Natal'”, conta Roselis von Sass, em sua narrativa sobre costumes natalinos de tempos passados, em O Livro do Juízo Final.
      A simbologia da árvore, de modo geral, é ampla e abrange aspectos muito profundos. “Pelo fato de suas raízes mergulharem no solo e de seus galhos se elevarem para o céu, a árvore é universalmente considerada como símbolo das relações que se estabelecem entre a terra e o céu”, relatam Jean Chevalier e Alain Gheerbrant no Dicionário de Símbolos.
     Contudo, nos dias de hoje, poucos são aqueles que pensam no céu ao enfeitar a árvore deNatal. Os pensamentos ligados às obrigações e distrações terrenas e a tudo o que é material, incluindo aí as “obrigações natalinas”, parecem proliferar com mais força do que os pensamentos que nos conectam ao céu. “Nas árvores de Natal excessivamente enfeitadas de hoje, já nada mais indica que numa noite se acendera uma Luz na Terra através do nascimento de Jesus", conclui a escritora Roselis von Sass. 
     Assim, a pouca valorização do real significado do Natal reflete em muitos que se reúnem em volta da árvore. Que brilhos será que envolvem as pessoas nesse dia? Brilhos passageiros e ilusórios, feito um sopro de purpurina, ou brilhos verdadeiros como o da estrela de Belém, que calou fundo nos corações dos que puderam observá-la naqueles dias?

     Foi pensando sobre isso e observando a ansiedade das crianças da casa pelos presentes embaixo da árvore que uma mãe decidiu repensar o Natal da sua casa. Ela resolveu que, em vez de ganhar presentes, cada integrante da família iria pensar nos presentes que haviam ganhado ao longo do ano. Não necessariamente presentes materiais, mas presentes da vida. E assim, em vez de bolas brilhantes, cada um passou a pendurar fitas na árvore com palavras ou frases que simbolizavam as coisas boas que haviam vivenciado naquele ano. A árvore de presentes se transformou numa árvore de gratidão.



     O que sentir no Natal ou como sentir o Natal é uma questão que ocupa seriamente algumas pessoas. “Como é estranho, pois, que cada ser humano, que deseja que a festa de Natal atue de maneira excepcionalmente certa sobre ele, procure se transportar para a infância! Isto é, pois, um sinal suficientemente nítido de queele nem é capaz de vivenciar, como adulto, a festa de Natal com a intuição!É a prova de que perdeu alguma coisa que possuía quando criança! Por que isso não dá o que pensar aos seres humanos!”, escreve Abdruschin na obra Na Luz da Verdade. Voltar à infância não é a solução, mas resgatar a infantilidade, a capacidade de sentir a vida com pureza pode ser uma porta que se abre para sentir o Natal de uma maneira nova, com a intuição.
    Cada árvore tem um visual, pode ser enfeitada com as bolas brilhantes, pode ser enfeitada com as fitas de gratidão, pode também ser a jabuticabeira do terraço que ganha um brilho especial. Ou ainda pode ser uma árvore erguida e cultivada no interior de cada pessoa que pensa no céu. Importante é como cada um adorna a sua árvore: com brilhos de pouco peso, tagarelados pelo comércio e soprados feito purpurina pela publicidade ou com o brilho de um acontecimento ímpar, de enorme importância. Para sentir o Natal faz todo sentido deixar de lado parte dos brilhos terrenos e pensar na conexão com o céu. 





Leia Também

Fé e confiança

outubro 20, 2020

Imagemcom silhueta de Moisés e desenhos egípcios


A Vida de Moisés, Coleção o Mundo do Graal

 

Leia Mais
Clareza na escuridão

outubro 17, 2020

Estrela de Belém, em destaque, iluminada por luz dourada em vaso de cerâmica vazado com detalhes de estrelas, sob aparador também iluminado.

Jamais esteve previsto que o desenvolvimento do ser humano aqui na Terra tivesse de se processar no escuro, às apalpadelas, sem uma compreensão clara de sua origem e missão. Pelo contrário. Desde o nascimento do primeiro ser humano na Terra, já estava determinado que ele teria informações crescentes sobre o sentido da vida e seu papel na engrenagem universal. Mas isso sempre e somente quando atingisse,  por si mesmo, um determinado grau de maturidade. Nunca antes, pois o solo precisa estar adequadamente preparado para a semeadura, caso contrário ela não vinga.”


Roberto C. P. Junior, Jesus Ensina as Leis da Criação

Leia Mais
Emergir

outubro 15, 2020

Imagem de garrafa com mensagem interna de pergaminho, na beira da praia, com as ondas ao fundo e raio de sol destacando a garrafa.

“Na medida em que os tempos se aceleram e trazem a colheita daquilo que o ser humano plantou, as profecias – mais antigas ou recentes – vêm à tona. Profecias mostram sua relevância na medida em que fazem as pessoas pensarem sobre sua atuação presente e questionarem o sentido da vida. São significativas também como alerta, podendo apontar novas direções para a 
humanidade e para cada indivíduo.”

Prefácio do livro  Profecias e Outras Revelações, de Roselis von Sass
Leia Mais